Category: Sem categoria

Você sabe como está o consumo vegano no Brasil? Confira neste post

Nos últimos anos, o consumo vegano se tornou uma tendência internacional. Tudo começou com o movimento do vegetarianismo, que consiste em não consumir nenhum tipo de carne — como peixes, frangos e as proteínas suínas ou bovinas.

Mas parece que a população está se conscientizando cada vez mais e, agora, muitos já estão cortando completamente da rotina a ingestão ou utilização de todo e qualquer item de origem animal, sendo os ovos, o leite, a lã e a seda alguns exemplos disso.

O mais interessante é que, em vez de prejudicar o mercado, tal mudança tem sido um diferencial para as empresas que desejam crescer e conquistar a atenção de consumidores conscientes e que se preocupam com a saúde e o meio ambiente.

Pensando nisso, e para te deixar por dentro do assunto, trouxemos neste post todas as informações relevantes sobre o consumo vegano. Acompanhe o artigo e saiba mais!

O crescimento do consumo vegano no Brasil

Diante de crises ambientais, do aquecimento global e da necessidade de pensar em sustentabilidade, uma grande parcela da população está mudando os seus hábitos. Esse é o caso do consumo vegano — um movimento que consiste em abolir, completamente, o uso de todo e qualquer produto que tenha origem animal.

Para ter uma ideia, e de acordo com um levantamento realizado pelo Ibope Inteligência, em 2018, 14% dos brasileiros se consideram vegetarianos, ou seja, não ingerem nenhum tipo de carne. 

Já em relação ao veganismo, o número também está crescendo, graças à facilidade de se encontrar alternativas de alimentos em diferentes cardápios por aí. E diante de tamanho sucesso, muitas empresas estão procurando se adaptar ao movimento para agradar a todos os paladares e conseguir se solidificar no mercado.

Um bom exemplo disso são as grandes redes de fast-food que, agora, estão investindo em peso em hambúrgueres compostos por legumes e queijos de origem vegetal.

Até mesmo os Estados Unidos estão apostando todas as suas fichas na chamada “onda veggie & vegan”. No país, as vendas de produtos que seguem essa linha cresceram de forma expressiva nos últimos anos, principalmente no que diz respeito aos leites alternativos, que são produzidos a partir de coco ou castanhas.

Os valores desse movimento

Quando falamos em consumo vegano, muitas pessoas assimilam o movimento somente ao fato de não consumir carne. No entanto, o conceito vai muito além disso. De acordo com os seus adeptos, o veganismo é uma maneira de viver sem que, para isso, seja preciso explorar os animais, tanto em relação ao vestuário quanto no que diz respeito à alimentação ou qualquer outro tipo de atividade. 

Por isso, tais indivíduos procuram seguir uma dieta pautada pela ingestão de vegetais e grãos integrais, evitando todo e qualquer item de origem animal, sendo os principais: 

  • carnes;
  • laticínios;
  • mel; 
  • ovos; 
  • ouro; 
  • lã; 
  • seda;
  • produtos testados em animais. 

O veganismo e o consumo de orgânicos

Sabia que veganismo também acabou influenciando outras formas de consumo? Uma delas, é a do movimento de alimentos orgânicos — uma prática extremamente forte nos Estados Unidos e Europa e, há pouco tempo, acabou atingindo boa parte da população brasileira, principalmente, a do Sul do Brasil. 

Tal atitude baseia-se em optar por adquirir e ingerir somente alimentos livres de agrotóxicos e hormônios, além de serem devidamente certificados. As vantagens de apostar nessa alternativa são inúmeras: 

  • possibilidade de ingerir ingredientes com teor nutritivo mais elevado;
  • possibilidade de consumir somente alimentos não prejudiciais à saúde; 
  • possibilidade de incentivar um sistema de produção que respeita a natureza;
  • possibilidade de experimentar alimentos mais saborosos. 

Para se ter uma ideia, e de acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, só no estado de Minas Gerais, a quantidade de unidades produtoras de orgânicos cresceu 60% — e, claro, esse aumento também tem acontecido em outras regiões do país. 

Isso significa que as pessoas que consomem esse tipo de alimento são extremamente exigentes e também fiéis aos estabelecimentos que decidem abraçar a causa. Inclusive, tais indivíduos se preocupam com a alimentação, com o bem-estar e investem todas as suas fichas em restaurantes ou lanchonetes que oferecem pratos de qualidade e alta procedência.

Incluir orgânicos no cardápio se tornou uma estratégia eficaz para todo empreendedor que deseja alcançar um diferencial competitivo no mercado. Dito isto, você não precisa abolir o uso de itens de origem animal do seu menu, mas sim, priorizar os produtos que são desenvolvidos com atenção, prezando pelo meio-ambiente e também pela saúde de seus consumidores. Pense nisso!

Viu só como é fácil? Agora que você sabe um pouco sobre o consumo vegâno e orgânico, já pode incluir receitas e novos produtos em seu cardápio e conquistar bons lucros no fim do mês.

E se gostou do nosso conteúdo exclusivo, aproveite para compartilhá-lo nas suas redes sociais e deixar os seus contatos por dentro!

Maquinário para açougue: o que não pode faltar no seu negócio?

O maquinário para açougue é essencial para o sucesso dessa modalidade de negócio. Os equipamentos facilitam o fluxo de trabalho e ajudam a promover uma rotina de eficiência, precisão e agilidade no negócio. Além disso, pelo fato de contribuírem para a higiene do local, eles são positivos para a qualidade de vida dos colaboradores e para os parceiros.

As máquinas são capazes de auxiliar nos processos do estabelecimento, desde o preparo até o corte da carne. Assim, elas precisam ter bastante qualidade e proporcionar segurança aos profissionais que vão manuseá-las em suas atividades. Isso requer que você pesquise sobre cada maquinário, analisando fatores como marcas, modelos, preços, condições de pagamento, entre outros.

Que tal receber uma ajuda nessa tarefa? É só continuar acompanhando este conteúdo especial que traz o que você precisa saber sobre maquinário para açougue.

Balança

A venda de carnes em um açougue só é possível por meio da pesagem desses produtos, e a maneira correta de realizar o procedimento é com uma balança específica. Em geral, a balança encontrada nesses estabelecimentos é a do tipo etiquetadora, que fornece a etiqueta com o código de barras e o valor do produto para a pessoa.

O ideal é ter uma balança etiquetadora que suporte pelo menos 15 quilos, além de certificar que ela esteja sempre ajustada para evitar erros e perdas. Outros cuidados importantes são a calibração e a limpeza do equipamento.

Moedor

A carne moída é um dos tipos de carnes mais vendidas em um açougue. Assim, para que o processamento do produto nesse ponto seja possível, é necessário contar com um bom moedor. Esse equipamento permite produzir carnes picadas com o melhor padrão de tamanho, corte e maciez.

O produto apresenta dispositivo de segurança que garante a integridade de quem opera e manuseia a máquina. Então, na hora de comprar, é importante verificar se ela segue todas as normas estabelecidas, o que ajuda a evitar acidentes. Além disso, deve-se averiguar o material de que o moedor é feito, optando sempre pelo de inox.

Em relação à higienização e aos processos de manutenção, ambos devem ser realizados de forma recorrente.

Serra fita

A serra fita é uma máquina que requer cuidado para ser manuseada. O equipamento contém uma serra motorizada que tem função de cortar carnes congeladas ou com ossos, o que facilita o trabalho dos açougueiros.

Antes de comprar, observe se o aparelho atende à legislação sanitária e se é fácil de limpar. Também é recomendado avaliar a economia no consumo de energia, o fácil manuseio e o baixo custo de manutenção. Por fim, lembre-se de oferecer um bom treinamento para a equipe aprender a utilizar corretamente a serra fita.

Amaciador

Esse equipamento é indicado para amaciar as mais variadas fatias de carne. Para facilitar o trabalho do açougueiro, o amaciador processa as peças para que sejam vendidas nesse formato, o que possibilita uma agilidade maior ao atendimento. Outra vantagem é que ele garante uma carne mais saborosa e apetitosa.

O modelo de inox é de mais fácil manuseio e limpeza. Aliás, esta deve ser feita sempre que a máquina for utilizada, para evitar impurezas e contaminações.

Mesa de corte

A mesa de corte é o local onde os açougueiros cortam e desossam a carne da forma que o parceiro precisar, com muito mais segurança e higiene. O ideal é optar pelas mesas feitas de polietileno e inox, que não deixam traços e riscos. Outra dica é realizar a limpeza com frequência, para garantir a qualidade das carnes oferecidas no açougue.

Misturador de carne

Recomendado para a produção de embutidos, o misturador movimenta a carne e os condimentos de maneira uniforme, dando homogeneidade e sabor para o alimento. A estrutura é composta de caçamba, pás, eixos, tampa e protetores. Existe um eixo conectado a duas pás que, à medida que se movem, misturam os ingredientes.

O aço inox é o material ideal para esse equipamento, que precisa ser higienizado após o uso e passar por manutenções periódicas.

Modelador de hambúrguer ou hamburgueira

O modelador de hambúrguer proporciona uma grande fonte de renda a longo prazo, principalmente se considerarmos que esse alimento é um sucesso entre os brasileiros. Sem falar que é uma ótima forma de o estabelecimento aproveitar as carnes que sobram ou que não são vendidas. Ou seja, ajuda a alavancar as vendas e a evitar desperdícios.

O equipamento é fácil de operar: basta colocar a mistura de carne e acionar a alavanca para obter um hambúrguer de formato padronizado. Vale destacar que é importante realizar a limpeza e a manutenção com frequência de acordo com o volume de uso do modelador.

Extrator de suco

O manuseio de carnes gera um grande volume de suco, e limpar esse líquido é trabalhoso e demanda muitos esforços dos profissionais. Porém, esse processo pode ser facilitado por um extrator de suco. Além de ser mais higiênico, possibilita que a sua equipe se concentre em outras atividades do negócio.

Para prolongar a vida útil do equipamento e sua operação com o máximo desempenho, deve-se realizar a limpeza e as manutenções com regularidade.

Cortador automático de frios

O cortador automático de frios simplifica a rotina dos colaboradores e otimiza o fluxo de trabalho no açougue. Com isso, o atendimento se torna mais preciso e ágil. Outra vantagem é que há uma padronização no corte, o que confere maior qualidade ao produto. Mas é essencial limpar a máquina com frequência, a fim de evitar o acúmulo de sobras.

Como vimos, é muito importante contar com um maquinário para açougue que seja seguro e facilite o trabalho do açougueiro. Por isso, observe se as máquinas atendem às normas de segurança e se são fabricadas com um material adequado. Se quiser usufruir da praticidade de comprar online, veja se a empresa é confiável e tem boa reputação.

Por fim, na hora de escolher os fornecedores, sempre leve em conta a relação custo-benefício. Preços abaixo da média do mercado podem indicar qualidade inferior e, como sabemos, é fundamental estruturar o seu negócio com bons recursos. Assim, você estabelece um ciclo positivo de produtividade no seu estabelecimento.

E então, gostou das nossas informações sobre maquinário para açougue? A Zafe oferece excelentes equipamentos para aumentar a produtividade e, consequentemente, o faturamento do seu negócio. Entre em contato conosco e saiba como adquirir os seus!

Receita de gratinado rápido com couve-flor e brócolis

Hoje em dia muito se fala sobre a importância de manter uma alimentação saudável, incluindo o consumo variado de verduras. A couve-flor e o brócolis são vegetais que apresentam muitos benefícios para a saúde e são considerados alimentos funcionais,  ricos em fibras, minerais (cálcio, magnésio, fósforo, selênio) e vitaminas (E, K e C), além de apresentarem baixo teor calórico. Mas além de pratos saudáveis nós buscamos praticidade e sabor. Para esta receita nos selecionamos dois produtos que são sucesso em nosso portifólio, o Molho Bechamel e o Empanado Rápido Junior

Que tal então manter a alimentação saudável com uma receita gostosa e prática? Continue lendo este artigo e descubra como é fácil unir sabor e saúde!

Ingredientes

½ couve-flor

250g de brócolis

500ml de Molho Bechamel Junior

100g de queijo muçarela ralada  

25g de Empanado Rápido Junior

q.b de sal

q.b de pimenta

Para o Molho Bechamel:

500ml de leite

50g de Molho Bechamel Junior

Modo de preparo

Molho Bechamel:

Em uma panela, misture o leite e o Molho Bechamel Junior e leve ao fogo. Cozinhe até ficar cremoso.

Legumes:

Pré aqueça o forno a 180°C. Corte a couve-flor e o brócolis em floretes grandes, retirando o caule central. Em uma panela grande, coloque a água para ferver, quantia suficiente para cobrir a couve-flor. Tempere a água com um pouco de sal e pimenta, lembrando que teremos outras fontes de sal na receita. Adicione os floretes e cozinhe por 5-6 minutos até ficarem macios. Escorra-os e reserve a água. Repita o processo com o brócolis, cozinhando por 2-3  minutos, ou até ficarem macios. Escorra. Coloque uma camada de couve-flor e de brócolis em um refratário. Despeje o Molho Bechamel Junior por cima. Em uma tigela pequena, misture o queijo muçarela e o Empanado Rápido Junior, e polvilhe por cima do gratin, leve ao forno até dourar.

Saiba quais são os tipos de balanças para auxiliar seu dia a dia!

À primeira vista, uma boa balança pode não ser a prioridade em açougue ou em um negócio que tem como foco o preparo de embutidos, não é verdade? Com tantos outros itens importantes — como os refrigeradores, as embalagens e o contrato com os melhores fornecedores —, os diferentes tipos de balanças podem acabar passando despercebidos.

Mas saiba que ela é um item fundamental para garantir os lucros da sua produção e também na imagem que é transmitida ao seu cliente. Isso mesmo! Afinal, oferecer um produto que está pesando mais do que você gostaria (e imagina) vai fazer com que repasse mais matéria-prima por um valor inferir — e, assim, perder dinheiro.

A situação contrária, ou seja, entregar ao seu consumidor um produto mais leve do que o prometido, também é prejudicial, causando grandes decepções, aborrecimentos e, muito provavelmente, a perda do cliente.

Para que nada disso ocorra com o seu negócio, confira agora os tipos de balanças mais comuns do mercado e onde encontrá-los!

Quais os tipos de balanças mais comuns?

Balança mecânica

Com um visual retrô, a balança mecânica tem uma função importante nas cozinhas além da decoração, especialmente para aqueles que trabalham com grandes produções. Isso porque elas são mais resistentes a pesos maiores e têm uma plataforma maior, acomodando sem problemas os produtos de maior volume.

Além disso, ao optar pela balança mecânica, você não corre o risco de ficar na mão pela falta de baterias ou energia elétrica. Para facilitar o transporte e a pesagem em diferentes locais, a maioria dessas balanças tem rodinhas. Uma verdadeira mão na roda na hora de averiguar grandes pesos de carnes ou outros ingredientes.

Balança digital

Entre as opções dos equipamentos digitais disponíveis, podemos destacar alguns mais comuns e com maior utilidade. Confira.

Plataforma

Pode ser uma boa opção à balança mecânica, visto que há modelos que suportam até 300 kg. Mas justamente por serem digitais, são mais delicadas, e a maioria foi projetada para permanecer em cima de uma bancada. Garantem uma conferência rápida e precisa do peso, mas o preço pode salgar a sua produção.

Pesadora

Esse tipo de balança se mostra muito útil na produção de linguiças e embutidos, pois garante uma pesagem com bastante precisão, inclusive de poucos gramas. Com ela, é possível se certificar de que todas as linguiças terão o mesmo peso, por exemplo, ainda que sejam pequenas. Eletrônicas, as pesadoras possuem um sistema de tara e permitem uma calibragem fácil.

Computadora

As balanças computadoras são aquelas bastante utilizadas em padarias, açougues e restaurantes por quilo: o vendedor digita um código e a balança já calcula o preço, de acordo com a pesagem. São bastante úteis para produções com uma grande variedade de produtos, pois impede a confusão de valores e agiliza o processo de venda.

Etiquetadora

Semelhantes às computadoras, as balanças etiquetadoras possuem o diferencial de já imprimirem a etiqueta com todos os dados necessários, como peso do produto, valor e demais informações. São as versões mais modernas do mercado e evitam erros de digitação e descontrole do estoque dos produtos.

Onde comprar?

Existem estabelecimentos que comercializam esse tipo de equipamento para pequenos, médios e grandes negócios. Mas, atualmente, a internet tornou o processo de compra mais fácil: é possível avaliar e comparar diversas balanças, analisando preços e atendimento às suas necessidades, de empresas confiáveis e sem sair do seu escritório. Além disso, como é um item pesado, contar com a facilidade da entrega é um diferencial importante.

E então, o que achou desses diferentes tipos de balanças? Já escolheu a sua? Antes de fechar negócio, lembre-se de considerar o tamanho da sua produção e da área que você tem disponível para o equipamento, ok?

Para conhecer outros itens úteis para o seu negócio, não deixe de conferir o nosso artigo sobre equipamentos para açougue. Boa leitura!

Abertura de empresa: o que eu preciso saber sobre o assunto?

Você, às vezes, se pega considerando a possibilidade de abrir um negócio? Acha que pode oferecer mais inovação ao mercado e tem um perfil empreendedor? Procura uma nova chance de demonstrar relevância? Então a abertura de empresa pode realmente fazer sentido para seu caso.

Não à toa, diante da necessidade de renovação e da procura por oportunidades no mercado, cada vez mais pessoas optam por esse caminho. Somente no 1° semestre de 2018, por exemplo, mais de 1 milhão de novas empresas foram abertas no Brasil, segundo o portal.

Para se destacar e lucrar em meio a elas, é preciso encontrar um nicho forte e apresentar vantagem competitiva. Quer saber como fazer isso e quais os primeiros passos necessários para ter sucesso na abertura de empresa? Então continue a leitura!

Escolha do setor e perfil da empresa

Em um mercado tão competitivo, deve-se considerar que há diferentes públicos consumidores e necessidades que as pessoas tendem a apresentar com os incrementos da tecnologia e aperfeiçoamento dos serviços.

Assim, antes de abrir sua empresa, pense bem e estude o setor em que pretende se enquadrar. Leia pesquisas de mercado, conheça negócios que já são referência na área, entenda quais são as forças e fraquezas e saiba se o cenário tem sido bem-sucedido. Mesmo empresas muito inovadoras, diferentes de tudo que há no mercado, precisam de dados e de fundamentos para crescer.

Principais documentos para abertura de empresa

Uma vez definida sua estratégia, procure saber quais os principais documentos envolvidos na abertura de empresa, que variam conforme o enquadramento dela. Os tipos mais comuns entre aqueles que estão começando são:

  • Microempreendedor Individual (MEI): empresário individual, sem sócios, com limite de faturamento anual de R$81 mil.
  • Microempresa (ME): deve optar por enquadramento no Simples Nacional, Lucro Real ou Lucro Presumido. A receita do ano não pode ultrapassar R$360 mil.
  • Empresa de Pequeno Porte (EPP): o limite de faturamento anual não pode ser maior do que R$4,8 milhões. Também se enquadra no Simples Nacional, Lucro Real ou Lucro Presumido.

Em casos de quem opta pela abertura de MEI, a documentação requerida envolve RG, CPF, comprovante de residência recente, última declaração referente ao Imposto de Renda, título de eleitor e comprovante de ponto comercial, bem como o nome fantasia e as atividades que serão exercidas pelo profissional na nova empresa.

A abertura pode ser feita on-line, no Portal do Empreendedor-MEI, em que também é possível entregar declarações anuais e consultar quaisquer serviços. Em casos de ME e EPP, a documentação é a mesma, mas a abertura de empresa deve ocorrer com a Junta Comercial do estado em que o novo negócio for começar.

Definição de enquadramento tributário

Independentemente da natureza do empreendimento e do setor escolhido para ele, há custos e tributos que devem ser pagos ao Estado. Assim, após se informar e, se possível, buscar assessoria contábil, o empresário pode optar por um dos quatro regimes fiscais adotados por quem se estabelece no Brasil, sendo eles:

  • SIMEI;
  • Simples Nacional:
  • Lucro Presumido;
  • Lucro Real.

A escolha, nesse caso, também varia de acordo com o porte da empresa e com sua rentabilidade. Deve-se planejar bem para evitar complicações com as finanças quando se trabalha com vendas.

A abertura de empresa, ao fim, tem sido cada vez menos burocrática diante da oferta de tecnologia e da quantidade de nichos que surgem promissores no mercado consumidor. Pensando nisso, se você tiver um perfil empreendedor e condições para investir nesse sonho, planeje-se bem e faça acontecer!

Gostou de nosso artigo e quer ler mais dicas sobre o tema? Então, assine já nossa newsletter e receba novos conteúdos em seu e-mail!

Afinal, como fazer linguiça de frango para encantar seu cliente?

Apesar de as linguiças serem comumente associadas à carne de porco, hoje os consumidores buscam cada vez mais opções para diversificarem o cardápio do dia a dia. As de frango e as mistas, por exemplo, são bem procuradas e não podem faltar nos comércios que vendem embutidos. Seguindo essa tendência, resolvemos ensinar aqui como fazer linguiça de frango.

Justamente por ser um ingrediente versátil, que pode ser usado em diferentes tipos de receitas, a linguiça é tão presente na mesa dos brasileiros. Seja no churrasco do final de semana, seja nos pratos comuns do cotidiano, lá está ela. O empreendedor que souber explorar isso, com certeza, conseguirá aumentar seu faturamento.

E então, quer aprender a fazer linguiça de frango para encantar seu cliente? Temos algumas dicas que ajudarão a otimizar o tempo de produção e garantir a qualidade do produto. Confira!

Por que diversificar os sabores de linguiça?

Dá para fazer linguiça com diferentes tipos de carne, como a do porco, de aves, carne vermelha e de carneiro. Além do mais, ela pode ser consumida fresco ou após passar por um processo de secagem ou defumação.

Esse embutido é um dos mais consumidos no Brasil e em diversos outros países. Outro ponto é que cada vez mais as pessoas têm preferido as versões artesanais, tanto pelo sabor (que costuma ser melhor do que o das industrializadas) quanto pela qualidade da produção.

Como fazer linguiça de frango?

A receita de linguiça de frango é bem simples e ainda pode apresentar diferentes versões. Normalmente, os ingredientes usados são:

  • carne de frango moída (coxa, sobrecoxa e peito);
  • bacon, para equilibrar sabor e textura;
  • temperos a gosto (sal, pimenta-do-reino, cheiro-verde, alho, pimenta fresca, entre outros).

Como a carne de frango é naturalmente seca, é importante adicionar uma fonte de gordura para fazer a linguiça. Pode ser bacon ou mesmo toucinho de porco, por exemplo. Para fazer a receita, lembre-se de usar as carnes sempre bem geladas.

O passo a passo é bem simples. O primeiro é misturar as carnes e os temperos. Depois, deixe a mistura descansando na geladeira por cerca de duas horas. Para finalizar, preencha a tripa e deixe a linguiça no refrigerador por cerca de 12 horas até o momento de assá-la ou fritá-la.

Quais os cuidados na produção?

É indicado seguir algumas dicas para manter um padrão de qualidade e, assim, fidelizar os clientes. São elas:

  • trabalhe sempre com matéria-prima fresca e faça você mesmo a moagem das carnes;
  • mantenha o espaço de trabalho, as máquinas e os utensílios sempre limpos;
  • moa carne e gordura separadamente para facilitar o cálculo da quantidade necessária de cada parte na receita;
  • dê preferência à tripa seca hidratada com água e evite o uso de vinagre.

Prezando por esses detalhes que fazem toda a diferença no resultado do produto, sua produção de linguiça artesanal de frango será um sucesso. Também é fundamental trabalhar sempre com fornecedores de qualidade e de confiança.

Gostou deste post sobre como fazer linguiça de frango? Aproveite para conhecer nossa loja online, que oferece tudo o que você precisa para o seu negócio decolar!

Equipamentos para padaria: conheça os que não podem faltar em seu negócio

Conhecer os principais equipamentos para padaria é vital! Ter os equipamentos corretos pode ajudar a ter um negócio de sucesso, seja ele uma pequena padaria ou um rede de pães.

Embora seja necessário um investimento, os equipamentos garantem um serviço menos cansativo, já que algumas máquinas substituem o trabalho a mão e trazem um resultado ainda melhor e mais profissional.

Se você quer montar uma padaria ou precisa incrementar a sua, continue a leitura e conheça os principais equipamentos que toda padaria deve ter.

6 equipamentos para padaria

forno-padaria1. Forno

O forno é um dos equipamentos mais importantes em uma padaria, afinal, ele faz parte da transformação da massa em um pão fresquinho e pronto para vender.

Os fornos mais indicados para as padarias são aqueles de modelo industrial, ou seja, que possuem recursos extras, como distribuição de calor de modo uniforme e que possuem um controle mais preciso da temperatura.

É importante optar por um forno que seja a injeção de vapor de água, embora muitas pessoas não saibam, esse recurso a mais ajuda na formação da crosta do pão, dos alvéolos no miolo e também em sua coloração.

2. Batedeira planetária

A batedeira planetária é muito versátil e geralmente pode ser usada tanto para massa leves, como para massas pesadas.

Caso você não tenha uma e precise comprar, opte por uma que venha com mais opções de batedores, para te dar mais opções de massas.

Além disso, escolha uma forte e com uma capacidade boa para bater as massas de acordo com a sua produção.

3. Misturador ou amassadeira

Esse equipamento para padaria é conhecido por diversos nomes como: masseira, amassadeira, misturador, misturadeira e tem como função sovar massas pesadas e em grande quantidade. A amassadeira é mais resistente e mais veloz que a batedeira, porém, as duas são muito úteis em uma padaria.

Além disso, existem dois modelos de amassadeira, que são:

Amassadeira basculante: esse modelo suporta entre 5 e 25kg de massa e possui dois braços mecânicos, sendo ideal para padarias e confeitarias.

Amassadeira espiral: a amassadeira espiral lembra uma batedeira planetária, ela possui apenas um braço em formato espiral que fica perpendicular ao tacho. A sua capacidade é ainda maior, podendo ir entre 25 e 60kg. É totalmente adequada para a produção constante e em larga escala.

4. Refrigerador

O refrigerador é essencial para armazenar não só os produtos, como também os ingredientes que precisam ser mantidos em temperatura baixa.

E com as várias opções disponíveis no mercado, fica fácil separar os alimentos de forma apropriada.

Nesse caso, é super recomendado que se tenha pelo menos dois modelos, um na vertical e outro frezzer na horizontal, desse modo mantém-se tudo organizado.

5. Balança

Na preparação da massa é super importante contar com a ajuda de uma balança.

É ideal pesar cada ingrediente para que a sua receita não seja alterada, principalmente se for uma receita com grande quantidade dos ingredientes.

Antes de comprar a balança, verifique a sua produção para comprar uma que consiga pesar de acordo com a fornada feita por vez.

Também é necessário ter uma balança à vista dos clientes para que o pão e frios sejam pesados corretamente e de forma transparente.

batedeira-planetaria-padaria6. Utensílios

É claro que os utensílios também são de suma importância, afinal, eles podem garantir um acabamento melhor na massa ou no confeito.

Usar gambiarras pode não ser uma boa opção, então vale a pena investir em itens que você sempre vai usar, como formas, bandejas, bicos de confeiteiro, pegadores, modeladores, raspadores, pá para tirar pães do forno, cesto ou benetton, estilete e outros.

Com o auxílio desses equipamentos, a sua padaria vai melhorar não só na produção, como também na qualidade dos produtos e isso gera ainda mais confiança para os seus clientes.

Gostou das nossas dicas de equipamento para padaria? Conheça a nossa loja virtual e encontre equipamentos incríveis para sua padaria.

5 Equipamentos para Açougue que deixarão seu negócio com cara de novo

serra-fitaNovos equipamentos para o seu açougue não só vai deixá-lo com cara de novo, como garantirá uma qualidade melhor para as atividades que precisam ser realizadas, sejam com as carnes e seus cortes ou com a administração do seu negócio.

Os equipamentos irão influenciar muito o desenvolvimento do seu negócio. A qualidade do serviço que você irá oferecer deve ser a melhor possível para encantar os clientes e deixar os concorrentes para trás.

Mas, sabemos que a escolha de equipamentos para açougue não é tão simples e requer conhecimento, por isso criamos este post para te auxiliar. Continue a leitura e confira 5 equipamentos necessários em um açougue.

Equipamentos para o manuseio das carnes

Os equipamentos para manuseio das carnes são indispensáveis em um açougue. A preferência é que sejam bons produtos para oferecer um serviço de qualidade também, indo desde o corte da carne até o moer dela, permitindo assim que o cliente faça qualquer receita com as carnes do seu açougue.

Para encontrar os equipamentos com melhor qualidade, você precisará gastar um pouco do seu tempo pesquisando na internet ou até mesmo pedir indicação de quem faz uso de produtos como este.

Em questão do preço, mesmo que ele seja um pouco alto é importante levar em conta que o produto te ajudará em diversos aspectos, inclusive no seu lucro, então o retorno e reposição do investimento será mais rápido e satisfatório.

5 equipamentos para deixar seu açougue com cara de novo

mesa-inox

1. Balcão de pagamento

Um balcão de pagamento é essencial numa casa de carnes, nessa área é deve-se investir em computador, sistema de nota fiscal, impressora e de uma máquina para aceitar cartões.

Quanto mais formas de pagamento melhor. Já que existem clientes de todos os tipos, é muito importante pensar no bem de todos.

2. Mesa de corte e manuseio

A mesa interfere diretamente na preparação e corte da carne, existem dois tipos delas, a de inox e de polietileno. A de polietileno não deixa traços e nem riscos ao cortar a carne, mas se você optar por uma Mesa Inox é recomendado a utilização de uma placa polipropileno, para uma melhor conservação do seu equipamento.

Seus preços variam bastante e comparadas tem uma diferença significativa, a de inox você pode encontrar até por R$ 500,00, já a de polietileno custa em média R$ 2.130,00.

3. Serra fita

A serra fita é uma máquina muito perigosa e que requer muito cuidado para se usar. Ela contém uma serra elétrica no seu interior para cortar carnes congeladas ou que contenham osso, facilitando muito o processo para os açougueiros.

A máquina tem tamanhos variados, escolha a que consegue cortar o maior pedaço de carne com osso e claro, que tenha mecanismos de segurança. O preço de um equipamento desse vai de R$ 997,00 até R$ 3.590,00.

4. Misturadeira de carne

Um equipamento indispensável para quem busca praticidade e agilidade na hora de produzir embutidos. A Misturadeira de Carne é responsável por misturar de maneira homogênea as carnes com temperos e condimentos, proporcionando sabor e aromatização uniforme. Além de ser mais higiênico é um equipamento que poupará inúmeras horas no dia a dia do seu açougue. O seu preço varia de acordo com a capacidade da caçamba, quanto maior a caçamba maior o preço. Uma Misturadeira de Carne com a caçamba de 60l, por exemplo, varia de R$ 6.000,00 à 8.000,00.

moedor-zafe5. Moedor de carne

Ter um moedor é super importante em uma casa de carnes, ele é o responsável pela carne moída que o cliente pede e garantindo que ele possa escolher a carne para fazê-la.

Um moedor inox é o mais recomendado, seu preço varia conforme a marca e o peso de carne que ele suporta. Podendo ir de R$ 1.270 até R$ 3.200,00.

Com todos esses equipamentos para açougue, sua casa de carnes vai ficar com outra cara. Lembrando que os equipamentos servem não só para trazer mais qualidade de serviço como também para facilitar a mão de obra dos profissionais da área. Todo e qualquer produto que facilite o processo e aumente a qualidade, é indispensável.

Gostou das dicas sobre equipamentos para açougue? Se você ainda se encontra com dúvidas, deixe aqui nos comentários.

Inauguração da primeira loja física Zafe – Juiz de Fora

Inauguramos a primeira loja física Zafe na cidade de Juiz de Fora/MG. Faça-nos uma visita e conheça de perto os nossos produtos e soluções para aumentar ainda mais a produtividade e a qualidade da sua empresa.
Esperamos por você! Nossa loja está localizada na Av. Francisco Bernardino, 141, no Centro de Juiz de Fora. Agora você já pode contar com a opção de comprar no site e retirar na loja.

Confira aqui os produtos da nossa loja virtual