Category: Dicas Zafe

Confira as 4 principais tendências de alimentação para 2020

Ficar de olho nas inovações do setor em que atua é uma das funções de um bom empreendedor, e não pode ser diferente para quem trabalha no ramo de alimentos. Afinal, é preciso estar por dentro das principais tendências de alimentação para conseguir oferecer novidades aos clientes e manter um negócio lucrativo.

Falando em tendências, saiba que saúde e sustentabilidade são as palavras-chave para o setor alimentício em 2020. Vamos entender melhor como esses dois fatores se manifestarão no próximo ano? Continue lendo e confira as quatro principais apostas entre as novidades em alimentação.

1. Proteína vegana

Alvo de muitos estudos e testes, a proteína vegana é uma boa aposta para os próximos anos, tanto aqui no Brasil como em todo o mundo. Isso porque a demanda por substitutos vegetais à carne está cada vez maior, tendo em vista que o número de vegetarianos e veganos só cresce a cada ano.

A alternativa nada mais é do que hambúrguer com aparência e sabor semelhantes à carne, mas feito à base de vegetais. O produto tem ganhado bastante visibilidade em países como Alemanha, Canadá e, sobretudo, Estados Unidos, onde as vendas de proteína vegana cresceram 42% de 2016 a 2019. No Brasil, o cenário também é animador.

2. Alimentos orgânicos

A preocupação com a saúde também está em alta, e isso se reflete consideravelmente na procura por uma alimentação saudável. Portanto, como a qualidade dos alimentos aparece entre as prioridades, os orgânicos têm atraído cada vez mais pessoas.

Esses alimentos são produzidos de maneira sustentável e sem uso de pesticidas e agrotóxicos. Eles levam mais saúde para a mesa do consumidor, pois concentram mais nutrientes e vitaminas. Além disso, há uma grande variedade desses produtos, como os refrigerantes orgânicos, que são bebidas livres de substâncias nocivas à saúde.

3. Mandioca como opção para dietas sem glúten

A alergia alimentar atinge, no mundo, cerca de 2% dos adultos e 8% das crianças com até 2 anos — e acredita-se que a prevalência no Brasil seja parecida. Um dos principais causadores dessa condição é o glúten e, por isso, a busca por formas de fazer dietas sem esse composto de proteínas é uma das tendências de alimentação para 2020.

Uma vez que o glúten está presente em diversos alimentos, como pães, arroz e trigo, pode ser difícil evitá-lo. Mas a mandioca se mostra uma forte candidata para ajudar nessa adaptação, por ser uma excelente fonte de energia e rica em fibras e sais minerais. Assim, espera-se que essa raiz tuberosa seja mais requisitada pelos consumidores.

4. Farinhas de frutas e vegetais

As farinhas de trigo e de mandioca integram diversas receitas, mas não são as únicas opções. Há uma expectativa de aumento no consumo de farinhas de banana, maracujá, maçã, uva, coco e demais frutas ricas em antioxidantes e substâncias que previnem o câncer, ajudam no emagrecimento e aceleram o metabolismo.

Quem também promete fazer sucesso são as farinhas feitas com leguminosas e cereais, como aveia, berinjela, feijão-branco, cenoura, couve, entre outras opções abundantes em cálcio, ferro, potássio e vitaminas.

O desenvolvimento de novas tendências de alimentação é o que mantém o ramo cada vez mais ativo. Se você trabalha ou está cogitando iniciar uma carreira no setor, tenha em mente que incluir inovações no negócio precisa ser um hábito constante para atender às demandas e atrair mais clientes.

Gostou de conhecer as principais tendências de alimentação para 2020? Compartilhe este post nas suas redes sociais para que mais pessoas saibam o que está por vir no ramo alimentício.

Produtos Tramontina: quais as vantagens para quem está empreendendo?

Qual marca vem à sua mente quando você pensa em panelas e utensílios de qualidade? É bem provável que se lembre primeiro dos produtos Tramontina, não é mesmo? Isso se deve à credibilidade que a empresa conquistou ao longo dos anos.

Quem trabalha no setor alimentício precisa estabelecer critérios para adquirir bons utensílios para o seu negócio. Sendo assim, é importante conhecer as vantagens que os produtos Tramontina (considerados as melhores opções do mercado) oferecem para quem está empreendendo.

É o seu caso? Então confira os principais diferenciais dessa marca!

Vantagens dos produtos Tramontina

A Tramontina lidera o mercado e é uma marca tradicional nas casas dos brasileiros desde 1911. E não é à toa: seus produtos carregam qualidade e durabilidade, características imprescindíveis, principalmente, para empreendedores do ramo de alimentos. Entenda melhor logo abaixo!

Segurança

Os produtos da Tramontina apresentam uma qualidade ímpar. Ao preparar alimentos nas panelas inox, por exemplo, você tem a garantia de que eles não serão contaminados com algum tipo de resíduo liberado pelo material. Assim, a saúde dos consumidores também é preservada.

Há, ainda, a questão do manuseio dos utensílios. Empreendedores do setor de alimentos sabem que é necessário ter precisão e segurança na hora das preparações, e a Tramontina proporciona isso por meio da qualidade dos cabos de panelas, facas e demais utensílios. É que eles são reforçados e contam com um formato ergonômico, o que oferece muito mais segurança, conforto e equilíbrio.

Durabilidade

Um dos principais critérios que os empreendedores devem considerar ao adquirir utensílios é a durabilidade dos materiais. Afinal, produtos de qualidade inferior atrapalham suas finanças, já que você vai precisar comprar ferramentas mais vezes do que o esperado. Além disso, podem causar um estresse enorme porque há um risco maior de falharem bem no meio da produção.

Nesse sentido, os produtos Tramontina são destaque. A tecnologia envolvida na construção dos utensílios possibilita uma maior durabilidade e resistência para o uso diário — o que dá mais tranquilidade para trabalhar, uma vez que a troca de equipamentos não será uma preocupação constante.

Diversidade

Outro ponto a favor da Tramontina se refere à diversidade dos seus produtos. Seu mix é bastante amplo: panelas, frigideiras, coifas, espátulas, facas, talheres e muitos outros utensílios com a qualidade já conhecida da marca. Sendo assim, ela consegue atender a todas as necessidades de diversos perfis do ramo da alimentação.

É fundamental que você sempre busque maneiras de trazer o melhor para os clientes. Portanto, para conseguir trabalhar com tranquilidade, não abra mão de contar com ferramentas que ofereçam segurança, praticidade e, principalmente, resistência.

Ao investir nos produtos da Tramontina, você obtém todas essas vantagens. Como se não bastasse, há o bônus de serem peças profissionais e de ótimo acabamento, o que deixa seu ambiente de trabalho ainda mais bonito.

A marca também oferece linhas de itens diversificados e você pode encontrar boas opções na internet, diretamente do conforto do seu lar. Na Zafe, temos uma variedade de produtos Tramontina, além de outros de excelente qualidade.

Se você quer trazer a qualidade dos produtos Tramontina para o seu negócio, conheça agora mesmo as nossas opções e entre em contato conosco.

Tire agora suas maiores dúvidas sobre conservante para linguiça

Apesar de pouco falado, um dos fatores que mais pode fazer diferença na charcutaria é o uso de conservante para linguiça. Se você é fã desse tipo de alimento ou está investindo na produção profissional (em pequenas ou grandes quantidades), precisa ter atenção com esse ingrediente tão controverso.

Tal questionabilidade se deve ao fato dos conservantes serem utilizados em grande escala nas produções industriais, a fim de aumentar consideravelmente o tempo de vida dos alimentos. No entanto, o produto pode trazer males à saúde do consumidor, além de alterar o sabor e as caraterísticas da carne.

Será que o conservante para linguiça faz mal? Quais são os mais indicados? Como utilizar da forma correta? Tire as suas dúvidas agora mesmo e mantenha a sua produção livre de qualquer suspeita.

Conservantes são prejudiciais à saúde?

Antes de responder à questão, é fundamental dizer que os aditivos químicos são utilizados para a redução da oxidação do alimento. No caso das linguiças, eles ajudam a manter a cor da carne e evitam aquele sabor rançoso que você, certamente, já experimentou alguma vez na vida.

Eles também são responsáveis por acelerar o processo de cura quando interagem com o nitrito de sódio. O nitrito, inclusive, é o conservante responsável pelo tom rosado de grande parte dos alimentos provenientes do porco — como a linguiça, o presunto etc. É também o nitrito um dos mais polêmicos conservantes do mercado: além de estar vinculado a alguns tipos de câncer, ele reduz a libido.

Como utilizar conservante para linguiça?

Há alguns ingredientes naturais que podem funcionar muito bem como antioxidantes dos seus produtos, sem que ofereçam riscos à saúde dos consumidores. Algumas sugestões são extrato de alecrim e açúcares — como sacarose, dextrose, mel e lactose. Também é válido lembrar que existe uma grande parcela da população preocupada com uma alimentação mais saudável, que tem buscado produtos mais naturais.

O ácido ascórbico ou o eritorbato de sódio também podem ser bons aliados da sua produção, pois aceleram o processo de cura, caso você opte por utilizar o sal de cura. Uma medida indicada é de 0,01% de ácido ascórbico e 0,05% de eritorbato de sódio, para o peso da carne.

Se você usar sal de cura, é bom fazer uma pesquisa minuciosa sobre as quantidades máximas permitidas no Brasil, a fim de não ter problemas com a legislação vigente e com os consumidores.

Onde comprar conservante para linguiça?

Como vimos, o assunto pode gerar algumas polêmicas. Portanto, é imprescindível que você adquira todos os itens necessários para a sua produção artesanal com fornecedores de qualidade inquestionável — que além de garantir o melhor atendimento, certificarão a procedência de seus ingredientes.

A Zafe é uma empresa completa, que oferece desde o maquinário até os melhores ingredientes para produções de todos os tamanhos. E o melhor é que é possível fazer as suas compras por meio do site, com toda a segurança e comodidade. Conservante para linguiça, fixador, especiarias, tripas… Tudo o que a sua produção precisa, a Zafe tem — e garante os melhores preços e uma entrega agilizada!

Quer saber mais e começar a fazer as suas compras? Acesse o nosso site e fale com a nossa equipe!

Não erre mais! 4 dicas de como conservar carnes corretamente

No tempo das cavernas, os homens abatiam um animal para se alimentar e tinham um problema: como conservar carne, já que não tinham freezers, embalagens etc.?

Brincadeira à parte, esse é um tema muito sério, principalmente se você trabalha com a produção de carnes e seus derivados para o consumo de um público externo. Afinal, mais do que a imagem da sua empresa, é a saúde dos seus consumidores que está em risco, caso os alimentos não sejam conservados corretamente.

Mas apesar da grande importância do tema, guardar as carnes de forma adequada não é uma tarefa difícil. Veja 4 dicas agora mesmo!

A importância da boa conservação da carne

Todos os alimentos merecem a nossa atenção no seu processo de conservação, desde o local em que serão armazenados até as embalagens e o descongelamento.

Por serem matérias-primas de fácil contaminação e que estragam facilmente, as carnes são ainda mais sensíveis a esses processos. Isso porque, por conterem muita água, elas acabam atraindo micro-organismos e bactérias. Ao conservá-las corretamente, você preservará:

  • a qualidade e, consequentemente, a saúde de quem a consome;
  • o sabor e a aparência como um todo;
  • a durabilidade.

Como conservar carne em 4 dicas

1. Resfrie a carne corretamente

Se você comprou a carne e não vai utilizá-la imediatamente, é possível mantê-la resfriada por até 72 horas. Mas atenção: se a intenção é usá-la como matéria-prima para um posterior congelamento (como no caso da produção de linguiças), o ideal é trabalhar a carne imediatamente.

A melhor forma de mantê-la em geladeira é em um recipiente (para que o sangue não pingue e contamine outros alimentos) e sempre bem tampado.

2. Prepare a carne antes de levá-la para o freezer

Congeladas, as carnes têm um prazo de validade muito maior, mas é preciso atentar a alguns detalhes:

  • não tempere a carne que for congelar;
  • não lave;
  • se possível, corte a peça fresca em pedaços menores para evitar cristais de gelo que costumam se formar em alimentos que levam mais tempo para congelar.

3. Tenha cuidado com a embalagem

A embalagem perfeita para o congelamento de carnes é aquela que evita a entrada de ar no invólucro. Boas opções são as embalagens a vácuo — mas se você não tem esse sistema na sua cozinha, pode improvisar colocando a carne em um saco com lacre e retirando o máximo possível de ar com a ajuda de um canudo.

Para retirar o excesso de água, basta secar as peças com papel toalha. Essa ausência de ar e de água faz com que a carne mantenha o seu frescor, sabor, cor e nutrientes.

4. Não acelere o descongelamento

Congelamento rápido, descongelamento lento: esta é regra de ouro para as carnes. O descongelamento, portanto, deve ser feito dentro da geladeira, de um dia para o outro.

Isso porque, ao descongelar, os cristais de gelo da carne se transformam em água, acelerando a proliferação de bactérias. Além disso, parte da água pode acabar escoando pelas fibras, e quanto mais isso acontece, mais rígida e seca a carne vai ficar depois de preparada.

Interessantes essas dicas de como conservar carne, não é mesmo? Seguindo esses truques, as suas matérias-primas, certamente, vão durar mais e ficar muito mais saborosas!

Que tal ajudar os seus amigos a também conservarem as suas carnes corretamente? Basta compartilhar estas dicas em suas redes sociais!

Aprenda a técnica de defumação e como aplicar na produção de linguiça

A técnica de defumação é uma das preparações mais antigas, pois consiste em uma forma simples de conservar os alimentos. Hoje em dia, o procedimento continua em alta e um dos seus objetivos é conferir mais sabor e aroma aos alimentos, por isso, é um processo importante para a produção de embutidos, como as linguiças.

Em outras palavras, trata-se do processo de submeter alimentos à fumaça vinda da queima de serragem ou carvão com o objetivo de dar um sabor diferente à comida. Confira, a seguir, algumas das técnicas para fazer isso e um passo a passo completo.

Conheça as principais técnicas de defumação

Há opções que podem ser feitas em casa com utensílios comuns de toda cozinha até aquelas com equipamentos específicos para esse fim. Veja a gama de possibilidades para quem deseja defumar linguiças e outros embutidos.

Serragem na panela

Para a defumação caseira com serragem na panela, tudo o que você vai precisar é de: serragem adequada para defumar; uma panela grande de fundo grosso e com tampa; uma grelha ou grade de metal que se encaixe na panela; papel alumínio e as especiarias de sua preferência.

Reunidos os materiais, é só forrar o fundo da panela com papel alumínio e depositar sobre ele a serragem e os temperos, como tomilho, alecrim, cravo, canela etc. Em uma distância de cerca de 10 cm da serragem, coloque a grelha para que a carne não entre em contato com o fundo. A partir disso, é só acender o fogo e colocar a proteína na grelha. Lembre-se de que, como se trata de carnes, o processo pode ser um pouco demorado.

Panela defumadora

Investir em uma panela defumadora pode deixar o processo ainda mais simples. Afinal, é uma ferramenta própria para essa finalidade, tornando tudo mais rápido. 

A panela tem características comuns a uma caçarola, mas tem algumas particularidades que fazem toda a diferença — como o fundo, que é removível. Além disso, ela já vem com a grelha para a separação do alimento. Basicamente, é o mesmo procedimento acima, porém de forma mais facilitada.

Forno convencional

O seu forno convencional também pode servir de câmara para defumação. Basta forrar uma assadeira com papel alumínio e colocar nela carvão ou serragem. Depois, é só ligar o forno a uma temperatura de 250 °C e colocar a carne da parte superior para que ela comece a ser defumada.

Técnica de defumação profissional

Envolve o uso de materiais mais específicos, como o defumador. Existem câmaras feitas de alvenaria, madeira, chapas de aço, cimento, entre outros materiais. Lembrando que a fonte de calor também pode variar, podendo ser carvão, serragem, lenha etc.

O procedimento é simples: basta acender o material a ser usado para gerar a fumaça e depositar as carnes na parte superior para a defumação. Nesse tipo de defumador, há a presença de termômetro, objeto imprescindível para controlar minuciosamente o processo.

Veja um passo a passo para defumação de linguiças

Para não restarem dúvidas, confira este passo a passo e entenda melhor sobre o processo de defumação na produção de linguiças:

  • escolha a carne de sua preferência e processe-a. A proporção é de 75% de carne para 25% de gordura;
  • em seguida, adicione os temperos a gosto. Optar por versões em pó pode fazer com que a conservação seja ainda maior. Você pode adicionar sal refinado, de cura, alho, pimenta-do-reino, tomilho etc.;
  • encha as tripas com a carne temperada;
  • prepare o defumador com a serragem própria para esse fim e acenda o fogo. O ideal é que a temperatura se mantenha a 70 °C;
  • pendure as linguiças no defumador e feche a tampa adequadamente;
  • retire-as cerca de 2 horas depois e estará pronta.

A técnica de defumação dá um novo sabor às carnes, principalmente quando se trata de embutidos, como a linguiça. Além disso, esse procedimento oferece um aroma único e deixa as peças mais suculentas. Por isso, lembre-se das nossas dicas na sua próxima produção.

Continuando nesse assunto, por que não saber como fazer linguiça para churrasco de forma descomplicada? Confira já nosso post com dicas imperdíveis.

5 receitas de drinks com vodka que vão surpreender seus convidados

Em reuniões e festas, os drinks são uma ótima pedida para as pessoas que gostam de bebidas alcoólicas, mas preferem bebê-las com um sabor a mais. A vodka é muito utilizada nos preparos, sendo um dos destilados mais consumidos no mundo e apresentando muitas possibilidades de combinações. Por isso, é importante conhecer receitas de drinks com vodka para servir no encontro com os amigos.

Com licores, cremes ou frutas, é possível preparar bebidas que agradem os mais diversos paladares. Neste post, vamos apresentar 5 receitas de drinks utilizando a vodka que você não pode deixar de experimentar. Confira!

1. Caipiroska

Derivada de um dos drinks mais famosos, a caipiroska é muito fácil de ser preparada e conta com os mesmos ingredientes da caipirinha, trocando apenas a cachaça por vodka.

Ingredientes

  • 2 colheres de açúcar;
  • 1 limão;
  • ½ copo de vodka;
  • gelo a gosto.

Modo de preparo

Corte o limão ao meio e cada uma das partes ao meio novamente. Coloque na coqueteleira, acrescente o açúcar e amasse. Adicione o gelo e a vodka, agite bem e beba em seguida.

2. Red Sunset

Esse drink é lotado de alegria tanto nos sabores quanto nas cores. São utilizadas diversas frutas, que proporcionam uma bebida leve e doce no ponto certo.

Ingredientes

  • 1 picolé de limão;
  • 2 xícaras de melancia sem caroço;
  • 3 morangos;
  • 30 ml de vodka.

Modo de preparo

Bata todos os ingredientes no liquidificador e sirva em um copo alto. Coloque um pedaço de melancia para decorar.

3. Cosmopolitan

Um drink refrescante, saboroso e bastante famoso em decorrência do seriado Sexy and the City.

Ingredientes

  • 15 ml de suco de cranberry;
  • 15 ml de suco de limão;
  • 15 ml de licor de laranja;
  • 30 ml de vodka.

Modo de preparo

Em uma coqueteleira, coloque todos os ingredientes e bata para que a mistura fique bastante homogênea. Após isso, coe o drink direto em uma taça de martíni e sirva em seguida.

4. Bloody Mary

O bloody mary é uma bebida exótica e deliciosa. O drink é indicado para quem gosta de apreciar o sabor do tomate.

Ingredientes

  • 2 doses de vodka;
  • pimenta-do-reino a gosto;
  • 8 gotas de tabasco;
  • 500 ml de suco de tomate;
  • 2 colheres de molho inglês;
  • sal a gosto;
  • 2 colheres de suco de limão.

Modo de preparo

Em um copo alto, coloque a pimenta-do-reino, o tabasco, o suco de limão, o molho inglês e a vodka e misture. Acrescente o suco de tomate gelado, adicione o gelo e mexa bem. Sirva em seguida.

5. Jello Shots

Esse drink é muito refrescante para ser servido no verão e fica perfeito para decorar em festas.

Ingredientes

  • 300 ml de vodka;
  • 200 ml de água gelada;
  • 500 ml de água fervente;
  • 2 sachês de gelatina.

Modo de preparo

Misture a gelatina com a água fervente até que esteja dissolvida. Acrescente a vodka e a água gelada. Coloque a mistura em copos de vidro e deixe na geladeira até que endureça.

Como vimos, existem diversas receitas de drinks com vodka que são fáceis de serem preparadas e que podem agradar os seus convidados. Vale ressaltar a importância de sempre utilizar ingredientes de qualidade para que a sua bebida fique saborosa.

Gostou deste conteúdo? Então compartilhe em suas redes sociais para que seus amigos também saibam como preparar drinks com vodka!

Você sabe o que é salmoura? Descubra agora quando é utilizada!

A premissa é básica: alta concentração de sal e água. Apesar de simples, esse procedimento, quando feito da maneira correta, consegue dar maciez e intensificar o sabor das carnes. Por isso, saber o que é salmoura e como fazê-la adequadamente é muito importante para quem deseja trabalhar com produtos da charcutaria, como linguiça e salames.

Algumas dúvidas podem surgir em relação a essa técnica, como quanto tempo de imersão e qual a quantidade de sal ideal. Em razão disso, reunimos as respostas para essas perguntas, além de outros detalhes sobre o processo. Acompanhe este texto e entenda melhor como fazer a salmoura.

Por que fazer a salmoura?

A salmoura é uma técnica simples que traz grandes benefícios para o preparo de carnes curadas. Na verdade, os dois principais objetivos desse procedimento dizem respeito à intensificação do sabor e à contribuição na preservação do alimento. Entenda melhor a seguir.

Realce do sabor e suculência

Você já deve ter ouvido falar que o sal pode fazer com que a carne perca líquido e fique dura, contudo, não é o que acontece com a salmoura. Na verdade, quando a proteína é submetida a altas concentrações de sódio, o que temos é o efeito contrário.

Isso ocorre porque o sal faz com que as fibras da carne não se retraiam tanto, impedindo que a água seja expulsa e possibilitando a retenção de parte dos líquidos. Dessa forma, as carnes que passam por esse processo costumam ser mais suculentas e saborosas, uma vez que o sal penetra profundamente.

Preservação do alimento

O sal e a conservação dos alimentos têm uma ligação há milhares de anos. Na verdade, ele foi um dos principais responsáveis pela preservação da nossa espécie, já que permitiu que o homem conservasse seus alimentos em períodos de escassez.

Justamente devido às características do sal, a salmoura é indicada para uma conservação prolongada das carnes. Funciona assim: a grande quantidade do cloreto de sódio cria um ambiente inapropriado para proliferação dos microrganismos que influenciam no apodrecimento dos alimentos — o que contribui diretamente para conservação da carne.

Como fazer a salmoura?

Para além da tradicional composição de sal e água, a salmoura pode ter outros itens na sua composição. Continue a leitura e confira as quantidades indicadas, além de um passo a passo completo!

Receita básica

  • 1 litro de água
  • 50 g de sal
  • 30 g de açúcar
  • temperos da sua preferência (alecrim, pimenta do reino, sálvia, alho etc.)

Modo de preparo

Em um recipiente grande o suficiente para deixar a carne submersa, adicione a água morna e a quantidade de sal equivalente. O restante dos ingredientes é opcional, entretanto, saiba que o açúcar ajuda na caramelização da carne e os temperos adicionais oferecem mais sabor para o alimento.

Coloque a peça de carne completamente na vasilha e deixe tudo esfriar em temperatura ambiente. Depois, é só levar para refrigerar. O tempo será determinado a partir do peso e do tipo da proteína. Por exemplo, carnes brancas costumam precisar de menos tempo em relação à carne vermelha. Da mesma forma, porções pequenas de peito de frango devem ficar cerca 2 horas enquanto o pernil de porco, por exemplo, precisa de pelo menos 12.

Como foi possível compreender ao longo deste post, o sal é um grande aliado das carnes curadas, como salsichas e linguiças, afinal, confere a esse tipo de alimento muito mais sabor, suculência e conservação. Agora que você já sabe o que é salmoura e como fazer o procedimento da forma correta, que tal incluir essa técnica nas suas futuras produções de charcutaria?

Gostou deste post? Já que estamos falando em produtos embutidos, leia nosso outro artigo para aprender a temperar linguiça e dar ainda mais sabor aos alimentos.

EPI para açougueiro: como garantir a segurança nesse tipo de trabalho?

Toda empresa que preza pela segurança e bem-estar de seus colaboradores (e por manter-se em conformidade com as leis) se preocupa em garantir os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) adequados a sua equipe. E nos açougues isso não pode ser diferente. Afinal, o EPI para açougueiro é essencial para proteger o profissional de diversos riscos existentes nesse ambiente de trabalho.

Ao contrário do que possa parecer, os açougues apresentam vários riscos aos trabalhadores: um chão molhado, uma faca afiada e, até mesmo, câmaras resfriadas podem colocar em risco a saúde e a segurança. Por isso, é fundamental conhecer os equipamentos que garantem a proteção, além de oferecer treinamento adequado para o seu uso e conscientizar os açougueiros sobre a importância de utilizar os itens de forma correta e frequente.

Mas você sabe quais equipamentos destinados à segurança individual são esses? Confira os principais!

Avental

Os açougues são ambientes que propiciam um grau de sujidade elevado — e, mais que isso, existe um risco de contaminação devido à manipulação constante dos alimentos crus. Por esses motivos, é indicado o uso do avental produzido com materiais como a napa ou o silicone, que além de serem mais rígidos (o que diminui a contaminação), facilitam no momento da limpeza.

As roupas dos açougueiros também são um ponto importante: as cores claras (de preferência branca) de calça e camiseta permitem que as manchas dos resíduos sejam identificadas com facilidade, garantindo uma lavagem mais eficiente e as trocas no momento certo.

Respirador descartável

Os equipamentos de proteção respiratória protegem os trabalhadores contra a inalação de agentes contaminantes. No ambiente de um açougue, essa proteção ainda é bilateral, pois também protege os alimentos de possíveis contaminações.

Luvas

A manipulação frequente de facas bastante afiadas e máquinas de corte faz com que seja primordial a utilização de luvas de malha de aço pelos açougueiros. Afinal, qualquer descuido pode causar machucados graves e lacerações.

Outro ponto importante são os protetores auditivos, que devem ser utilizados devido ao barulho produzido pelas máquinas de corte e outros equipamentos.

Botas

Também para proteger os profissionais de contaminação, o uso de botas de borracha com cano alto é obrigatório. Isso porque esse tipo de calçado é fechado e impermeável, garantindo a proteção dos pés em caso de quedas de materiais pesados ou cortantes e também evitando que o profissional caia em pisos molhados, úmidos e, consequentemente, escorregadios.

Japona frigorífica

O entra e sai das câmaras resfriadas e congeladas para estocar e buscar os alimentos pode ser fatal para a saúde da sua equipe. Afinal, não há organismo que resista a essa constante troca de temperatura. Nesse sentido, o uso de japona frigorífica (e também da calça) protege o colaborador contra essas mudanças bruscas — evitando gripes, resfriados e problemas respiratórios mais graves.

Vale lembrar que, para a empresa, também é importante manter os seus funcionários saudáveis, evitando as faltas por motivos de doença.

Como dissemos no início deste texto, o uso dos EPIs é obrigatório, regido pela Norma Regulamentadora 6, que estabelece que a responsabilidade pelo fornecimento e uso obrigatório dos equipamentos é da empresa. Portanto, não se descuide e garante o EPI para açougueiro correto, ofereça treinamento e incentive o uso.

Este conteúdo foi esclarecedor para você? Quer saber mais sobre a legislação que envolve os açougues? Então, confira agora os documentos necessários para abrir a sua empresa.

Afinal, o marketing boca a boca realmente funciona? Descubra!

Um bom produto ou serviço modifica a vida de uma pessoa de várias formas. Afinal, poucas coisas são tão gratificantes quanto conseguir resolver um problema por meio de um bom atendimento. A satisfação é tanta que sentimos a necessidade de compartilhar nossas experiências com outras pessoas para que elas cheguem a um resultado positivo também. É o que chamamos de marketing boca a boca.

Como compartilhar informações tem se tornado um hábito em nossa sociedade, essa troca de experiências consegue ser cada vez mais pública e chegar a muitas pessoas rapidamente. Por razões como essa, tanto grandes como pequenos negócios precisam encontrar maneiras de ser bem avaliados por seus clientes.

Continue lendo e entenda como funciona o marketing boca a boca e como ele pode ser favorável para a fidelização dos seus parceiros!

Como funciona o marketing boca a boca?

A estratégia surgiu como uma alternativa às grandes mídias, como jornais, revistas, TV, pois os anúncios nesses veículos necessitam de um grande investimento. Além de poder ser combinado com outros tipos de marketing, é uma técnica econômica e muito eficiente.

Atualmente, o marketing boca a boca funciona como uma ponte entre sua empresa e o cliente. Para que esse vínculo dê certo, é necessário entender qual a melhor forma de interagir com eles. Por exemplo, se o seu público-alvo for bem presente nas redes sociais, procure interagir com ele e incentive-o a deixar avaliações no perfil da empresa.

Qual a importância para a fidelização de clientes?

Além de ampliar o alcance do seu negócio, o marketing boca a boca pode acelerar o processo de vendas e, assim, aumentar os lucros. Afinal, quando uma pessoa já pensa em adquirir um produto e surge uma recomendação de alguém em quem ela confia, a decisão de compra torna-se bem mais ágil e descomplicada.

Portanto, é uma estratégia muito importante para quem está começando o negócio ou ainda tem uma clientela reduzida. Isso porque também é uma forma de fidelizar os clientes, já que, ao ter uma experiência positiva em seu estabelecimento, certamente a pessoa terá a sua marca em mente na próxima vez que precisar do produto que você oferece.

Como ter um bom marketing boca a boca?

Agora que já entendemos o que é e qual a sua importância, resta saber como ter uma boa estratégia de marketing boca a boca.

Tenha a qualidade como lema do negócio

Em primeiro lugar, é preciso ter em mente que o cliente só recomenda aquilo de que realmente gosta. Nesse sentido, a qualidade deve ser a palavra-chave do seu negócio, tanto no que diz respeito ao seus produtos como ao suporte que você fornece.

Ofereça atendimento personalizado

O atendimento personalizado é uma das formas mais eficazes de manter clientes satisfeitos, uma vez que mostra o interesse da empresa em buscar a satisfação dos consumidores e em entender as suas particularidades.

Seja ágil na resolução de problemas

Outro detalhe importante é que, por mais que o suporte dado seja eficiente, sempre existirão problemas. Contudo, a capacidade de resolvê-los com agilidade e sem burocracia pode fazer com que seu negócio seja mais recomendado.

Ofereça benefícios surpresa

Busque surpreender seus clientes, oferecendo descontos, brindes e outros benefícios, sempre que possível, para fortalecer o vínculo e se destacar diante dos concorrentes.

Então, sim, o marketing boca a boca realmente funciona e deve ser uma estratégia valorizada, já que é capaz de potencializar suas vendas e melhorar bastante o vínculo com seus clientes, mantendo-os fidelizados ao seu negócio. Lembre-se ainda de sempre procurar manter a qualidade constante em seus produtos e serviços para que essa estratégia traga bons resultados.

E então? Você já conhecia os benefícios do marketing boca a boca? Então que tal compartilhar este conteúdo nas redes sociais para que mais pessoas conheçam essas vantagens?

Passo a passo: saiba como fazer fluxo de caixa!

Manter a saúde financeira da empresa em dia é uma das regras básicas que os gestores precisam seguir no dia a dia. Afinal, somente quando a entrada e a saída de recursos está sob controle é possível planejar os próximos passos e investimentos do negócio. E, para manter esse equilíbrio, é fundamental que os responsáveis pelo gerenciamento da empresa saibam como fazer o fluxo de caixa.

Basicamente, o termo se refere a uma ferramenta financeira que visa controlar sistematicamente todas as entradas e saídas de valores do negócio. A partir desses registros será possível analisar com maior eficácia quais são os gastos necessários, as despesas que podem ser diminuídas ou cortadas, bem como o que precisa de mais investimentos, por exemplo.

Para você que tem dúvidas sobre o assunto, fizemos um passo a passo para manter o fluxo de caixa em ordem. Confira!

Mantenha o registro de todas as movimentações

O primeiro passo para fazer o fluxo de caixa é determinar o período que será considerado. Normalmente, ele é projetado por um período de 12 meses, ou seja, para o ano todo. Definido o período, é preciso registrar todas as movimentações financeiras, tais como:

  • novos lançamentos;
  • pagamentos recebidos;
  • contas a receber;
  • contas a pagar.

Como novos lançamentos, podemos classificar os valores que não foram projetados ou mesmo correções do que já havia sido incluído na planilha. Todos os pagamentos recebidos, tanto à vista quanto a prazo, também precisam ser registrados, assim como as contas a pagar e também a receber. Nessa etapa, atente-se para cadastrar os números certos, pois qualquer erro de cálculo poderá se tornar um problema.

Organize as informações por categorias 

Para facilitar a análise das informações e manter a organização, o ideal é cadastrar os valores em categorias pré-determinadas. Cada tipo de negócio poderá lidar com informações específicas a serem consideradas no fluxo de caixa, mas normalmente os dados são divididos entre: entradas e saídas.

Essas duas categorias são gerais e a partir delas o gestor precisa criar as subcategorias para organizar as informações. Normalmente, as categorias mais usadas são as seguintes:

  • folha de pagamento;
  • investimentos;
  • impostos;
  • vendas;
  • retorno de investimentos;
  • juros.

Crie uma rotina de trabalho

As categorias citadas são apenas algumas que devem aparecer no controle de fluxo de caixa, mas, de acordo com o ramo de atividade da empresa, muitas outras devem ser consideradas também. Com tantas informações importantes e números envolvidos, é preciso atenção máxima para a manipulação dos dados.

O que sempre vai ajudar nessa tarefa é manter uma rotina de trabalho bem-organizada. Além disso, é importante registrar todas as entradas e saídas de valores praticamente em tempo real. Nada de deixar para mais tarde ou outro dia, pois as planilhas precisam estar o tempo todo atualizadas, inclusive para serem consultadas.

Acompanhe os resultados

Assim como qualquer outra métrica de gestão, é preciso analisar os dados do fluxo de caixa para os próximos planejamentos da empresa. As informações não devem ser apenas cadastradas, pelo contrário, precisam ser consideradas para as tomadas de decisões.

Acompanhando de perto as movimentações do fluxo de caixa, o gestor conseguirá gerenciar melhor sua relação com clientes e fornecedores. Além disso, conseguirá otimizar o uso dos recursos de acordo com o que realmente tem em caixa, sempre cumprindo prazos e fazendo os melhores investimentos possíveis em cada momento do negócio.

Se você gostou dessas dicas sobre como fazer fluxo de caixa, aproveite para se cadastrar na nossa newsletter e receba por e-mail nossos próximos conteúdos!