EPI para açougueiro: como garantir a segurança nesse tipo de trabalho?

Toda empresa que preza pela segurança e bem-estar de seus colaboradores (e por manter-se em conformidade com as leis) se preocupa em garantir os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) adequados a sua equipe. E nos açougues isso não pode ser diferente. Afinal, o EPI para açougueiro é essencial para proteger o profissional de diversos riscos existentes nesse ambiente de trabalho.

Ao contrário do que possa parecer, os açougues apresentam vários riscos aos trabalhadores: um chão molhado, uma faca afiada e, até mesmo, câmaras resfriadas podem colocar em risco a saúde e a segurança. Por isso, é fundamental conhecer os equipamentos que garantem a proteção, além de oferecer treinamento adequado para o seu uso e conscientizar os açougueiros sobre a importância de utilizar os itens de forma correta e frequente.

Mas você sabe quais equipamentos destinados à segurança individual são esses? Confira os principais!

Avental

Os açougues são ambientes que propiciam um grau de sujidade elevado — e, mais que isso, existe um risco de contaminação devido à manipulação constante dos alimentos crus. Por esses motivos, é indicado o uso do avental produzido com materiais como a napa ou o silicone, que além de serem mais rígidos (o que diminui a contaminação), facilitam no momento da limpeza.

As roupas dos açougueiros também são um ponto importante: as cores claras (de preferência branca) de calça e camiseta permitem que as manchas dos resíduos sejam identificadas com facilidade, garantindo uma lavagem mais eficiente e as trocas no momento certo.

Respirador descartável

Os equipamentos de proteção respiratória protegem os trabalhadores contra a inalação de agentes contaminantes. No ambiente de um açougue, essa proteção ainda é bilateral, pois também protege os alimentos de possíveis contaminações.

Luvas

A manipulação frequente de facas bastante afiadas e máquinas de corte faz com que seja primordial a utilização de luvas de malha de aço pelos açougueiros. Afinal, qualquer descuido pode causar machucados graves e lacerações.

Outro ponto importante são os protetores auditivos, que devem ser utilizados devido ao barulho produzido pelas máquinas de corte e outros equipamentos.

Botas

Também para proteger os profissionais de contaminação, o uso de botas de borracha com cano alto é obrigatório. Isso porque esse tipo de calçado é fechado e impermeável, garantindo a proteção dos pés em caso de quedas de materiais pesados ou cortantes e também evitando que o profissional caia em pisos molhados, úmidos e, consequentemente, escorregadios.

Japona frigorífica

O entra e sai das câmaras resfriadas e congeladas para estocar e buscar os alimentos pode ser fatal para a saúde da sua equipe. Afinal, não há organismo que resista a essa constante troca de temperatura. Nesse sentido, o uso de japona frigorífica (e também da calça) protege o colaborador contra essas mudanças bruscas — evitando gripes, resfriados e problemas respiratórios mais graves.

Vale lembrar que, para a empresa, também é importante manter os seus funcionários saudáveis, evitando as faltas por motivos de doença.

Como dissemos no início deste texto, o uso dos EPIs é obrigatório, regido pela Norma Regulamentadora 6, que estabelece que a responsabilidade pelo fornecimento e uso obrigatório dos equipamentos é da empresa. Portanto, não se descuide e garante o EPI para açougueiro correto, ofereça treinamento e incentive o uso.

Este conteúdo foi esclarecedor para você? Quer saber mais sobre a legislação que envolve os açougues? Então, confira agora os documentos necessários para abrir a sua empresa.

Maquinário para açougue: o que não pode faltar no seu negócio?

O maquinário para açougue é essencial para o sucesso dessa modalidade de negócio. Os equipamentos facilitam o fluxo de trabalho e ajudam a promover uma rotina de eficiência, precisão e agilidade no negócio. Além disso, pelo fato de contribuírem para a higiene do local, eles são positivos para a qualidade de vida dos colaboradores e para os parceiros.

As máquinas são capazes de auxiliar nos processos do estabelecimento, desde o preparo até o corte da carne. Assim, elas precisam ter bastante qualidade e proporcionar segurança aos profissionais que vão manuseá-las em suas atividades. Isso requer que você pesquise sobre cada maquinário, analisando fatores como marcas, modelos, preços, condições de pagamento, entre outros.

Que tal receber uma ajuda nessa tarefa? É só continuar acompanhando este conteúdo especial que traz o que você precisa saber sobre maquinário para açougue.

Balança

A venda de carnes em um açougue só é possível por meio da pesagem desses produtos, e a maneira correta de realizar o procedimento é com uma balança específica. Em geral, a balança encontrada nesses estabelecimentos é a do tipo etiquetadora, que fornece a etiqueta com o código de barras e o valor do produto para a pessoa.

O ideal é ter uma balança etiquetadora que suporte pelo menos 15 quilos, além de certificar que ela esteja sempre ajustada para evitar erros e perdas. Outros cuidados importantes são a calibração e a limpeza do equipamento.

Moedor

A carne moída é um dos tipos de carnes mais vendidas em um açougue. Assim, para que o processamento do produto nesse ponto seja possível, é necessário contar com um bom moedor. Esse equipamento permite produzir carnes picadas com o melhor padrão de tamanho, corte e maciez.

O produto apresenta dispositivo de segurança que garante a integridade de quem opera e manuseia a máquina. Então, na hora de comprar, é importante verificar se ela segue todas as normas estabelecidas, o que ajuda a evitar acidentes. Além disso, deve-se averiguar o material de que o moedor é feito, optando sempre pelo de inox.

Em relação à higienização e aos processos de manutenção, ambos devem ser realizados de forma recorrente.

Serra fita

A serra fita é uma máquina que requer cuidado para ser manuseada. O equipamento contém uma serra motorizada que tem função de cortar carnes congeladas ou com ossos, o que facilita o trabalho dos açougueiros.

Antes de comprar, observe se o aparelho atende à legislação sanitária e se é fácil de limpar. Também é recomendado avaliar a economia no consumo de energia, o fácil manuseio e o baixo custo de manutenção. Por fim, lembre-se de oferecer um bom treinamento para a equipe aprender a utilizar corretamente a serra fita.

Amaciador

Esse equipamento é indicado para amaciar as mais variadas fatias de carne. Para facilitar o trabalho do açougueiro, o amaciador processa as peças para que sejam vendidas nesse formato, o que possibilita uma agilidade maior ao atendimento. Outra vantagem é que ele garante uma carne mais saborosa e apetitosa.

O modelo de inox é de mais fácil manuseio e limpeza. Aliás, esta deve ser feita sempre que a máquina for utilizada, para evitar impurezas e contaminações.

Mesa de corte

A mesa de corte é o local onde os açougueiros cortam e desossam a carne da forma que o parceiro precisar, com muito mais segurança e higiene. O ideal é optar pelas mesas feitas de polietileno e inox, que não deixam traços e riscos. Outra dica é realizar a limpeza com frequência, para garantir a qualidade das carnes oferecidas no açougue.

Misturador de carne

Recomendado para a produção de embutidos, o misturador movimenta a carne e os condimentos de maneira uniforme, dando homogeneidade e sabor para o alimento. A estrutura é composta de caçamba, pás, eixos, tampa e protetores. Existe um eixo conectado a duas pás que, à medida que se movem, misturam os ingredientes.

O aço inox é o material ideal para esse equipamento, que precisa ser higienizado após o uso e passar por manutenções periódicas.

Modelador de hambúrguer ou hamburgueira

O modelador de hambúrguer proporciona uma grande fonte de renda a longo prazo, principalmente se considerarmos que esse alimento é um sucesso entre os brasileiros. Sem falar que é uma ótima forma de o estabelecimento aproveitar as carnes que sobram ou que não são vendidas. Ou seja, ajuda a alavancar as vendas e a evitar desperdícios.

O equipamento é fácil de operar: basta colocar a mistura de carne e acionar a alavanca para obter um hambúrguer de formato padronizado. Vale destacar que é importante realizar a limpeza e a manutenção com frequência de acordo com o volume de uso do modelador.

Extrator de suco

O manuseio de carnes gera um grande volume de suco, e limpar esse líquido é trabalhoso e demanda muitos esforços dos profissionais. Porém, esse processo pode ser facilitado por um extrator de suco. Além de ser mais higiênico, possibilita que a sua equipe se concentre em outras atividades do negócio.

Para prolongar a vida útil do equipamento e sua operação com o máximo desempenho, deve-se realizar a limpeza e as manutenções com regularidade.

Cortador automático de frios

O cortador automático de frios simplifica a rotina dos colaboradores e otimiza o fluxo de trabalho no açougue. Com isso, o atendimento se torna mais preciso e ágil. Outra vantagem é que há uma padronização no corte, o que confere maior qualidade ao produto. Mas é essencial limpar a máquina com frequência, a fim de evitar o acúmulo de sobras.

Como vimos, é muito importante contar com um maquinário para açougue que seja seguro e facilite o trabalho do açougueiro. Por isso, observe se as máquinas atendem às normas de segurança e se são fabricadas com um material adequado. Se quiser usufruir da praticidade de comprar online, veja se a empresa é confiável e tem boa reputação.

Por fim, na hora de escolher os fornecedores, sempre leve em conta a relação custo-benefício. Preços abaixo da média do mercado podem indicar qualidade inferior e, como sabemos, é fundamental estruturar o seu negócio com bons recursos. Assim, você estabelece um ciclo positivo de produtividade no seu estabelecimento.

E então, gostou das nossas informações sobre maquinário para açougue? A Zafe oferece excelentes equipamentos para aumentar a produtividade e, consequentemente, o faturamento do seu negócio. Entre em contato conosco e saiba como adquirir os seus!

Como aumentar a venda de linguiça no seu estabelecimento?

A venda de linguiça é, sem dúvida, uma aposta certa para o seu estabelecimento. Além de ser um produto que oferece muitas variações, ele faz bastante sucesso entre os brasileiros devido ao sabor, à versatilidade e ao bom custo-benefício. Mas se as suas vendas não estão tão boas quanto você gostaria, talvez precise ajustar alguns pontos na sua estratégia.

Quer ajuda nessa tarefa? Continue aqui com a gente e confira dicas essenciais para aumentar a venda de linguiça e ver os seus lucros deslancharem!

Tenha um bom planejamento

O seu objetivo final já está claro: vender mais linguiças. Mas como você pretende fazer isso? Um bom primeiro passo é planejar a sua estratégia, o que envolve saber os tipos de linguiça que vai comercializar, as quantidades que vai manter em seu estabelecimento e o preço, por exemplo.

Na hora de definir todos esses fatores, faz toda a diferença conhecer o seu público:

  • Do que os seus clientes mais gostam?
  • Qual linguiça tem mais procura?
  • Em que dia da semana ou época do mês a demanda cresce?

Também é importante estabelecer metas e, a partir daí, trabalhar para cumpri-las. Se o seu objetivo, por exemplo, é aumentar a venda de linguiças mista e calabresa, faça promoções interessantes, divulgue e crie “pacotes para churrasco”. São apenas ideias que você vai adequar ao seu público — por isso, mais uma vez, é essencial conhecê-lo bem.

Preze pela qualidade

Existem muitas linguiças de qualidade no mercado, mas também há aquelas pouco atrativas tanto no sabor quanto na aparência. Se você oferecer produtos que não enchem os olhos (com muita gordura, coloração e tripas feias, por exemplo), o seu freguês não vai nem se interessar em provar.

Agora, vale lembrar que não adianta ter um produto atrativo se ele não for saboroso. O cliente não vai comprar de novo e, pior, ainda pode falar mal das linguiças para outras pessoas. Portanto, para não comprometer as vendas do seu estabelecimento, priorize a qualidade.

Busque bons fornecedores

Contar com bons fornecedores é um fator decisivo para a qualidade das linguiças. É fundamental que eles sejam comprometidos com o que fazem — e isso não é apenas pelo sabor, pela aparência e por demais atrativos que já citamos.

O mercado de alimentos precisa de atenção redobrada com a higiene e a procedência das matérias-primas, para evitar a contaminação da comida e dos consumidores. Imagine vender uma linguiça que vai fazer mal à saúde dos seus clientes? Inadmissível, não é mesmo?

Invista no atendimento

Tão importante quanto a qualidade do produto é o desempenho de quem o vende. Visualize a seguinte situação: uma nova linguiça está exposta em seu estabelecimento. Sem conhecê-la, o cliente pergunta sobre ela ao atendente: “Do que é feita? É saborosa?”. Provavelmente, as respostas farão esse consumidor comprar ou desistir do produto.

Sendo assim, procure investir no treinamento dos colaboradores e mantê-los motivados, até para que sejam mais simpáticos com os fregueses. Em estratégias como promoções e degustações, a equipe também terá um papel primordial para divulgar a ação e incentivar o público a provar o produto.

Como você pôde ver, a venda de linguiça está diretamente relacionada às preferências dos seus clientes e à qualidade do produto e do atendimento. Ligue todos esses pontos, defina os seus objetivos e os bons resultados virão.

Quer conferir mais conteúdos como este, destinados a empreendedores como você? Basta assinar a nossa newsletter e ficar de olho na sua caixa de entrada!