Receita de gratinado rápido com couve-flor e brócolis

Hoje em dia muito se fala sobre a importância de manter uma alimentação saudável, incluindo o consumo variado de verduras. A couve-flor e o brócolis são vegetais que apresentam muitos benefícios para a saúde e são considerados alimentos funcionais,  ricos em fibras, minerais (cálcio, magnésio, fósforo, selênio) e vitaminas (E, K e C), além de apresentarem baixo teor calórico. Mas além de pratos saudáveis nós buscamos praticidade e sabor. Para esta receita nos selecionamos dois produtos que são sucesso em nosso portifólio, o Molho Bechamel e o Empanado Rápido Junior

Que tal então manter a alimentação saudável com uma receita gostosa e prática? Continue lendo este artigo e descubra como é fácil unir sabor e saúde!

Ingredientes

½ couve-flor

250g de brócolis

500ml de Molho Bechamel Junior

100g de queijo muçarela ralada  

25g de Empanado Rápido Junior

q.b de sal

q.b de pimenta

Para o Molho Bechamel:

500ml de leite

50g de Molho Bechamel Junior

Modo de preparo

Molho Bechamel:

Em uma panela, misture o leite e o Molho Bechamel Junior e leve ao fogo. Cozinhe até ficar cremoso.

Legumes:

Pré aqueça o forno a 180°C. Corte a couve-flor e o brócolis em floretes grandes, retirando o caule central. Em uma panela grande, coloque a água para ferver, quantia suficiente para cobrir a couve-flor. Tempere a água com um pouco de sal e pimenta, lembrando que teremos outras fontes de sal na receita. Adicione os floretes e cozinhe por 5-6 minutos até ficarem macios. Escorra-os e reserve a água. Repita o processo com o brócolis, cozinhando por 2-3  minutos, ou até ficarem macios. Escorra. Coloque uma camada de couve-flor e de brócolis em um refratário. Despeje o Molho Bechamel Junior por cima. Em uma tigela pequena, misture o queijo muçarela e o Empanado Rápido Junior, e polvilhe por cima do gratin, leve ao forno até dourar.

Confira 6 equipamentos para fazer linguiça que você deve ter!

Fazer linguiça artesanal é uma ótima estratégia para ganhar dinheiro no setor alimentício. A iguaria é muito consumida pelos brasileiros, e uma produção artesanal permite criar diferentes receitas e combinações exclusivas que podem se tornar a marca do negócio. Mas antes de apostar nesse nicho, é importante saber quais equipamentos para fazer linguiça são necessários.

Além do mais, é essencial ter cuidado com a escolha da matéria-prima usada, a fim de garantir linguiças com a melhor qualidade possível. Basicamente, a receita de uma linguiça artesanal usa carne, um tipo de gordura, temperos e tripa. Ou seja, investir nessa produção não tem um custo alto, mas o retorno pode ser muito interessante.

Está entrando agora nesse ramo? Então, confira os equipamentos para fazer linguiça que você precisa providenciar!

1. Moedor de carne

O moedor é uma máquina básica para quem quer fazer linguiça, pois todas as carnes usadas devem ser moídas. Claro que é possível comprar o ingrediente já moído. No entanto, dependendo do volume da produção, é bem mais eficiente fazer a própria moagem — além de garantir maior e melhor controle de todas as etapas de produção.

2. Balança

A balança é um outro item importante para garantir precisão na quantidade dos ingredientes usados nas receitas. Ela serve para pesar a carne e a gordura utilizadas na linguiça, pois a receita precisa seguir um padrão de proporção entre esses dois ingredientes para que a iguaria não fique seca.

3. Misturador de carne

O misturador facilita o preparo da linguiça, ainda mais nos casos em que se trabalha com um grande volume de ingredientes. Além de otimizar a produção, o misturador assegura que o mix de ingredientes fique homogêneo — o que é essencial para se obter um produto de boa qualidade.

4. Embutidora de carne

A função desse equipamento é facilitar o seu trabalho de colocar a carne nas tripas. O mercado oferece diversos tipos de máquinas para essa finalidade, inclusive um funil básico que tem um preço bem em conta. Mas para uma produção profissional e que precisa ser dinâmica, a melhor opção é investir logo no começo em uma embutidora.

5. Amarrador de embutidos

O amarrador de embutidos é a máquina utilizada para finalizar a etapa de produção da linguiça com um nó padronizado e profissional. Esse investimento não é essencial no começo do negócio, mas na medida em que o volume de produção for aumentando, vale a pena considerar essa facilidade.

6. Câmara frigorífica

Por último, é preciso ter um espaço adequado para armazenar os embutidos, e o recomendado é uma câmara frigorífica. Inclusive, existem modelos de refrigeradores específicos que já vêm com os ganchos próprios para pendurar as linguiças.

Antes mesmo de pensar nos ingredientes, é fundamental adquirir os equipamentos adequados para você se sair bem no preparo e na comercialização de linguiças artesanais. Com esse investimento, a produção será um sucesso e o seu negócio terá tudo para se destacar no mercado e conquistar os consumidores. 

Sendo assim, que tal garantir logo os seus equipamentos para fazer linguiça? Passe agora mesmo no site da Zafe e confira as máquinas que temos para você começar sua produção!

Documentos para abrir empresa: confira a lista completa!

Dar início a um novo negócio se tornou o sonho de muita gente tanto pela oportunidade de obter uma renda maior quanto por trabalhar com algo em que acredita e ter mais autonomia do que na condição de funcionário. Para que o empreendimento dê certo, é essencial se atentar aos documentos para abrir empresa.

Com todos os fatores burocráticos em ordem, fica mais fácil dar atenção a outras questões determinantes para o bom funcionamento do negócio, como contratação de colaboradores, compra de produtos para o estoque e treinamentos.

Está pensando em abrir uma empresa, precisa de dicas de gestão e ainda não sabe de quais documentos vai precisar? Então, conheça os principais deles na lista a seguir e saiba como obtê-los!

Contrato social

O contrato social é a base imprescindível para a abertura de toda empresa. Feito por um advogado e registrado no cartório, nele, constam as atividades realizadas pela empresa, o que se chama de Classificação Nacional de Atividades Econômicas, CNAE, bem como a participação dos sócios e o modelo de tributos escolhido, de acordo com o tamanho e o perfil do negócio.

O acordo é firmado entre os proprietários da empresa, caso haja mais de um, e menciona também seu capital inicial e nome de registro.

CNPJ

Independentemente do tamanho do empreendimento, não há como não citar entre documentos para abrir empresa o Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ). Feito na Receita Federal e no Ministério da Fazenda, ele comprova a qual setor a empresa pertence e assegura que esteja regularizada em todo o território nacional.

Para tirar um CNPJ, é necessário ter documento de identidade dos donos da empresa, CPF, comprovante de residência, endereço de onde o negócio ficará localizado e contrato social, como citado anteriormente.

Registro na junta comercial

Se vai vender produtos ou prestar serviços, todas as suas atividades de comércio precisam estar regularizadas, daí a necessidade de abrir um registro na junta comercial. Para tanto, deve-se comparecer ao órgão responsável da cidade em que a empresa terá sede com os documentos oficiais, como contrato social e CNPJ.

Alvarás

Quem abre uma empresa com ponto comercial precisa ter atenção especial à questão dos alvarás. Somente com eles a prefeitura considera que o negócio é regular e evitam-se, assim, uma série de aborrecimentos decorrentes de multas e suspensões que podem prejudicar seu crescimento no futuro.

Inscrição estadual

Ainda que não seja um documento necessário para todas as empresas, é fundamental para muitas delas. Requer um número de cadastro junto à Secretaria do Estado da Fazenda ou à Receita Estadual para que o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços, ICMS, possa ser recolhido.

Para ter certeza desses e de outros documentos para abrir empresa, uma boa dica é comparecer ao órgão responsável na prefeitura de seu município a fim de obter mais informações. Conversar com um advogado também é outro passo importante, pois auxiliará desde a composição do contrato social. Assim, você começa com o pé direito, regular, e pronto para crescer no mercado!

Gostou de nosso artigo e quer receber mais conteúdos como este? Então assine já nossa newsletter e leia tudo que for selecionado especialmente para você!

Receita de linguiça de porco: descubra como fazer!

As linguiças artesanais têm sido cada vez mais apreciadas pelos consumidores, pois podem ser encontradas em diferentes versões e agradam aos mais variados paladares. Quem trabalha com a comercialização de alimentos deve ficar de olho nisso para valorizar o negócio, e pegar uma boa receita de linguiça de porco é um ótimo começo.

Se você tem interesse no assunto, este post vai ajudar bastante. Nos tópicos abaixo, vamos explicar quais são os ingredientes da receita de linguiça de porco, os equipamentos necessários e os cuidados importantes para o preparo. Confira!

Quais são os ingredientes necessários?

O primeiro passo para fazer uma linguiça de porco de qualidade é escolher uma carne de boa procedência — dica que vale para a produção de qualquer alimento. Como ela é a principal matéria-prima desse embutido, é preciso ter atenção especial.

Uma receita básica de linguiça precisa dos seguintes ingredientes e utensílio:

  • pernil de porco moído;
  • toucinho sem o couro;
  • tripa de porco;
  • alho;
  • pimenta-do-reino;
  • sal;
  • ervas a gosto;
  • barbante para amarrar a linguiça.

A sua receita sempre deve conter: carne, um tipo de gordura para não ficar seca, temperos a gosto e a tripa para finalizar. Aliás, tente usar as tripas naturais, que antes de serem preenchidas precisam ficar de molho em uma mistura de água e vinagre por cerca de 30 minutos.

Em seguida, deve-se enxaguar a tripa antes de preenchê-la com a carne. Esse procedimento requer o uso de um funil e o cuidado de não deixar espaços com bolhas de ar. Depois que ela estiver cheia, é só fazer as amarrações com barbante para separar os gomos.

Quais equipamentos usar?

Basicamente, os equipamentos necessários são um moedor de carne e o enchedor de linguiça, que pode ser um funil, elétrico ou à manivela. Claro que você pode adquirir a carne já moída, mas para quem quer se certificar quanto aos mínimos detalhes da receita e produzir tudo, o ideal é adquirir um moedor.

Inclusive, há enchedores de todos os preços e tamanhos, do básico e barato funil até máquinas elétricas que custam mais. Ou seja, de acordo com o seu orçamento, invista na opção mais adequada para a realidade do negócio.

Como preparar e quais os cuidados?

A produção de uma linguiça saborosa e com a textura perfeita exige que todos os ingredientes sejam muito bem misturados. A massa precisa ficar homogênea e pegajosa, para evitar que a linguiça fique seca.

Para preservar a gordura do produto final, sempre trabalhe com a carne o mais gelada possível. Inclusive, uma dica é deixá-la um tempo no congelador antes do processo de moagem. A quantidade de tempero pode variar de acordo com o gosto, mas quanto ao sal, a média é de 10 g para cada 500 g de carne.

Todas essas dicas servem para a produção de qualquer tipo de linguiça. Os ingredientes serão quase os mesmos. Só o tipo de carne deve mudar e, às vezes, o tempero também. Mas você já percebeu que o processo não é difícil e que a criação de linguiças artesanais pode ser uma excelente estratégia de negócios.

Gostou da receita de linguiça de porco e dos macetes que nós demos? Aproveite para aprender também como escolher o moedor de carne ideal!

Embalagens de alimentos: como escolher a embalagem para a linguiça?

Você resolveu investir profissionalmente na sua produção de linguiças e embutidos? Parabéns! É provável que esteja pensando agora em questões como matéria-prima, sabores e divulgação do negócio, certo? Claro que elas são importantes, mas há outras que também merecem atenção se quiser emplacar nesse ramo, como escolher as embalagens de alimentos.

Isso mesmo! Tão fundamental quanto a qualidade do produto que você oferece é a qualidade da embalagem. Porém, para acertar na escolha desse item, é necessário considerar alguns pontos. Veja quais são eles nas próximas linhas!

A importância da segurança das embalagens de alimentos

Sem um bom invólucro, o alimento pode perder sabor, textura, ficar com uma aparência pouco atrativa ou, pior, não ser armazenado de forma correta. Ou seja, não escolher uma embalagem ideal para os alimentos que você oferta é um risco para a saúde do seu cliente.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) sabe disso e está de olho nesse quesito tanto quanto na segurança do próprio alimento. De acordo com o órgão, todo material que está em contato com alimentos e bebidas precisa seguir normas e padrões preestabelecidos. 

Os materiais mais utilizados para armazenar alimentos

Dentre os materiais aprovados pela Anvisa e seguros ao consumidor, podemos citar:

  • metal;
  • plástico;
  • vidro;
  • papel e papelão;
  • isopor.

Naturalmente, nem todos os materiais servirão ao mesmo propósito de proteção, conservação e praticidade de manuseio para todos os tipos de alimentos e bebidas. É preciso que você avalie as condições do seu produto — como o tempo de duração, se vai comercializá-lo congelado, entre outros fatores.

Além disso, vale a pena estudar o seu mercado para perceber o que os seus concorrentes estão oferecendo. Nessas pesquisas, você pode se surpreender com uma embalagem inovadora (que nem sabia que existia) ou notar o quão importante é investir na identidade visual e na personalização dos seus produtos.

As características de uma boa embalagem para linguiça

Muitos tipos de linguiça são vendidos em embalagens que misturam alumínio e plástico. O alumínio se destaca por proteger o alimento da luz e garantir a durabilidade dos embutidos, além de ser um material mais resistente para transporte. Já o plástico permite a visualização perfeita das linguiças, o que facilita a escolha do consumidor.

Infelizmente, não é raro encontrarmos linguiças com má aparência, carne pouco apetitosa ou com excesso de gordura ou condimentos. Por esses e outros motivos, é imprescindível permitir que o seu cliente veja o seu produto com clareza.

Além dessas embalagens que trazem um lado de alumínio e outro de plástico, as que contém apenas plástico podem ser uma solução bastante prática. Maleáveis e versáteis, elas facilitam no momento de embalar o produto e em seu congelamento, se for o caso. Uma boa dica é procurar por opções que podem ser recicladas.

As embalagens de alimentos são fundamentais para o sucesso do seu negócio, tanto para garantir o armazenamento seguro dos produtos quanto para fazer a sua bela aparência se destacar ainda mais. Portanto, aposte em embalagens de qualidade superior, que não vão rasgar com facilidade, prejudicar o visual dos embutidos ou transmitir sabor para eles.

E por falar em sabor, continue conosco e veja como definir o melhor tempero para linguiça!

Como calcular a margem de lucro do seu negócio? Aprenda agora!

O objetivo de toda empresa é chegar no final de cada mês com lucro, ou seja, as contas com saldo positivo. No entanto, nem todo empreendedor sabe como calcular a margem de lucro de sua produção para definir a precificação ideal de cada item. A prática é de fundamental importância para que a empresa não tenha prejuízos e, em algumas situações, precise encerrar as suas atividades.

A regra básica para o cálculo é descontar do saldo das vendas os custos de produção, as despesas fixas e variáveis. Todo o dinheiro que foi investido pelo empresário precisa ter um retorno positivo. Assim, a empresa poderá ser considerada financeiramente saudável.

Para você que tem dúvidas sobre o assunto, abaixo explicamos como deve ser feita a precificação do que é vendido, como calcular o lucro e ajustar possíveis erros. Confira!

Como é feita a precificação das mercadorias?

É essencial pensar qual será o valor do lucro que cada produto vendido em um estabelecimento retornará à empresa. Em outras palavras, isso significa que tudo o que é vendido precisa ter um preço elaborado considerando diferentes indicadores, tais como custos fixo, custos variáveis e custos operacionais.

Nada pode ser precificado antes que se faça um estudo para determinar o valor de cada variável. Além do mais, existe um fator que não pode ser calculado, mas que deve ser considerado, que é quanto o público deseja pagar por aquele determinado produto.

Uma fórmula básica para definir os preços é a seguinte:

CUSTOS + DESPESAS + LUCRO = PREÇO DE VENDA

Os custos são os valores pagos aos fornecedores e tudo que envolve a produção da mercadoria que será vendida. As despesas são o quanto o negócio investe para ter o seu produto vendido, incluindo despesas administrativas, como salários de funcionários.

O último valor a ser somado é o lucro, ou seja, o quanto de retorno que a empresa terá com a venda do item. O resultado dessas 3 variantes definirá o valor que o consumidor deverá pagar para adquirir determinado bem ou produto.

Como calcular o lucro do negócio?

Existem 2 tipos de lucros: o bruto e o líquido. O primeiro deles é referente ao total arrecadado nas vendas menos os custos de produção. A fórmula é a seguinte:

RECEITA TOTAL – CUSTOS VARIÁVEIS = LUCRO BRUTO

Já o lucro líquido é uma informação mais precisa e objetiva, pois considera outras variáveis. A fórmula para o cálculo é a seguinte:

RECEITA TOTAL – CUSTO TOTAL = LUCRO LÍQUIDO

A diferença entre os dois cálculos é que o lucro bruto desconta da receita arrecadada apenas o que se gastou na produção. Já o lucro líquido desconta também custos fixos e impostos.

Como fazer ajustes?

Para uma gestão mais eficaz, é importante que o administrador avalie o lucro líquido antes de tomar as suas decisões. É a partir dessa variável que se conseguirá identificar o quanto realmente há no caixa da empresa.

Outra dica é contar sempre com bons fornecedores, para que nunca faltem os produtos procurados pelos clientes. A concorrência é grande em todos os setores. Além disso, quando o cliente não encontrar o que precisa na sua loja, não tenha dúvidas de que ele comprará em outro lugar.

A mesma ideia serve para o gerenciamento de estoque. Quando ele não é movimentado, significa que a empresa está deixando de ganhar dinheiro. Faça um rigoroso controle de tudo o que entra e sai, datas de produtos perecíveis, entre outros detalhes.

Como você pôde perceber, saber trabalhar com a margem de lucro é essencial para o desenvolvimento da empresa. Afinal, para crescer e continuar funcionando, o negócio precisa sempre de investimentos — que somente acontecerão com uma margem de lucro positiva.

Se você gostou deste conteúdo sobre como calcular a margem de lucro, aproveite para compartilhar a dica nas suas redes sociais!

Confira as principais dicas sobre como montar um açougue!

O churrasco e o hábito de comer carne fazem parte do dia a dia de muitos brasileiros. Segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Embrapa, em 2015, o país se posicionou como o 2º maior mercado consumidor de carne bovina do mundo. Hoje, é também o 3º maior produtor de frango. Pensando nisso, se você estiver se informando sobre como montar um açougue, pode ter um ótimo retorno financeiro!

Atualmente, esse mercado se expandiu e trabalha com segmentos variados. Além das casas de carnes tradicionais, frequentadas por consumidores que procuram uma boa opção em qualidade e custo para sua rotina, há os açougues mais especializados, preocupados em oferecer um produto com diferencial.

Para definir qual é a melhor escolha para seu perfil de negócios e ter sucesso na empreitada de abrir um açougue, continue a leitura de nossas dicas a seguir!

Defina o local de abertura da empresa e seu público consumidor

Escolher bem o imóvel em que o estabelecimento será aberto é um dos passos que vai determinar o seu sucesso no futuro. Assim, vale avaliar o bairro em que se encontra e garantir que a rua escolhida seja bastante movimentada, a fim de manter o comércio aquecido.

Ao analisar o imóvel em si, tenha certeza de que ele dispõe do tamanho e da infraestrutura necessários quando se procura como montar um açougue. Pense no balcão de carnes, no espaço para o frigorífico, sanitários e, claro, em uma área de circulação agradável para seus parceiros comerciais. Ademais, conheça bem o público: seus hábitos, poder aquisitivo, preferências. Todos os fatores podem modificar o perfil comercial da empresa.

Escolha bem os produtos que pretende vender

Um dos diferenciais de bons açougues, hoje, é o fato de que eles não se comprometem somente a vender diferentes tipos e cortes de carne, mas também objetos, alimentos e bebidas para acompanhar ocasiões em que se procura consumir essas iguarias.

Dessa forma, além de prezar pela excelência nos cortes vendidos, aposte em cervejas, vinhos, destilados, refrigerantes, temperos prontos para carnes, aperitivos e em itens para fazer um churrasco. Entre eles, carvão, grelha, álcool, facas, aventais e demais utensílios necessários. Cortes diferentes e nobres de carnes, como complemento, agregam exclusividade e colocam o açougue em destaque.

Além disso, pensando no crescente público de pessoas que vivem sozinhas, vale preparar embalagens com quantidades menores para o dia a dia. Nelas, é uma boa pedida separar porções de carne moída, bife a rolê, almôndegas, cubos para estrogonofe e o que mais o perfil de seu público consumir.

Escolha bons profissionais com os quais trabalhar

Desde açougueiros a fornecedores, preze sempre por uma equipe comprometida, organizada e, claro, que zela por hábitos de higiene e pela preservação da segurança dos produtos e do açougue.

Ao selecionar açougueiros, analise se têm quaisquer dificuldades para operar os equipamentos presentes no local e se compreendem as especificações de diferentes cortes e carnes. A fim de evitar quaisquer reclamações do público, estipule e siga todas as normas de limpeza.

Em se tratando de fornecedores, entenda como é feito o transporte das carnes e saiba se é seguro e higiênico. Lembre-se também de que todos os produtos devem ser inspecionados pelos órgãos reguladores, com o selo de inspeção de alimentos de origem animal, SIF.

Atente às normas da vigilância sanitária

Trabalhar com carnes cruas, um produto com grande potencial para se estragar se não for bem conservado, requer muito cuidado! Assim, é fundamental levar em consideração a lista de adequações para açougues, cedida pela vigilância sanitária. Nela, constam especificações sobre ventilação, exposição das carnes em balcão frigorífico e armazenamento dos produtos em embalagens plásticas.

Ademais, há orientações para os trajes e todos os cuidados de higiene que os colaboradores envolvidos na operação devem apresentar. Alguns exemplos são o uso de jaleco, avental, touca, boné e sapatos fechados.

Essas são apenas algumas dicas para tomar suas primeiras atitudes antes de definir como montar um açougue ideal, que tenha prosperidade no futuro. Ao segui-las e se atualizar com todas as informações necessárias sobre esse tipo de mercado, você cria as condições necessárias para se destacar no segmento.

Gostou deste artigo? Então, inspire-se e leia também nossas 3 dicas para inovar em seu açougue!