Não perca 5 dicas de gestão ideais para empreendedores iniciantes

Após ter uma ideia muito boa, com potencial para se tornar um negócio rentável, ou simplesmente depois de se cansar da mesmice do ambiente de trabalho convencional, você se convenceu de que está pronto para empreender. Para isso, é importante que se atente a algumas dicas de gestão e tome ações certeiras!

O conhecimento sobre gestão empresarial e organização de vendas para quem está iniciando no empreendedorismo possibilita uma visão ampla do mercado e permite que o planejamento seja efetivo, mais próximo dos objetivos traçados. É iniciante na área e quer saber mais sobre o tema? Então continue a leitura de nossas dicas a seguir!

1. Organize suas finanças

Empreender é uma decisão muito importante, que requer, antes de tudo, condições financeiras. A soma que você tem para investir é suficiente para abrir uma empresa e mantê-la sob o controle durante seu início, considerando que vai levar tempo até ter um lucro real?

Consegue garantir um bom fluxo de caixa, pensando na compra de equipamentos, serviços, contratação de funcionários e, claro, eventuais emergências? Se tiver dificuldades para se organizar, busque por aplicativos de controle financeiro ou pelas boas e velhas planilhas.

2. Foque na administração

Certifique-se de que seu plano de negócios é válido e consistente para o setor escolhido. Por exemplo, se escolher montar uma lanchonete, trace metas e encontre uma estrutura administrativa que seja sólida para que as vendas prosperem. Tenha todos os fluxos internos organizados, desde as finanças ao gerenciamento de colaboradores, fornecedores e, claro, produtos.

3. Conheça seus clientes

A satisfação dos parceiros é a principal recompensa de quem inicia qualquer tipo de negócio. Muito além de quaisquer outras dicas de gestão, todas aquelas envolvidas na tarefa de conhecê-los são imprescindíveis.

Estude e entenda seus hábitos de comportamento. Identifique seus desejos, dificuldades, canais em que estão presentes e aprenda a entregar um produto ou serviço completamente adaptado àquilo que almejam. São esses clientes que vão indicar seu negócio a outros parceiros no futuro, divulgando a marca de forma positiva.

4. Defina corretamente o valor de seu produto

Evite arbitrariedade ao definir preços. Mais uma vez, planeje, calcule e tome decisões precisas. O valor é condizente com o mercado? Está muito abaixo ou muito acima? É possível obter lucro no fim do mês? Os custos pagam a mão de obra e todos os materiais ou processos envolvidos? Definir custos adequadamente, desde o início, evita modificações que possam vir a desagradar os clientes no futuro.

5. Escape da informalidade

A ideia de abrir um negócio, muitas vezes, nasce em meio à informalidade. Se você realmente estiver pensando em abrir uma empresa bem-estruturada, afaste-se dessa condição.

Ainda que alguns impostos possam ser elevados, com inscrição na Junta Comercial e enquadramento tributário adequado o empreendedor pode realizar cobranças formalmente, torna-se elegível à obtenção de créditos e se protege judicialmente. Sem a legalização, a chance de ter problemas e de não crescer são enormes, minando o sucesso de um negócio que talvez apresente potencial.

Com essas dicas de gestão, já dá para pensar nos primeiros passos a percorrer antes de realizar o sonho de abrir uma empresa. Aliado a elas, estudar e conhecer o mercado possibilitam que a empreitada seja próspera.

Quer ler mais sobre o tema? Então acesse já nosso post com 4 dicas para organizar as tarefas do dia a dia e se tornar mais produtivo!

Saiba quais são os tipos de balanças para auxiliar seu dia a dia!

À primeira vista, uma boa balança pode não ser a prioridade em açougue ou em um negócio que tem como foco o preparo de embutidos, não é verdade? Com tantos outros itens importantes — como os refrigeradores, as embalagens e o contrato com os melhores fornecedores —, os diferentes tipos de balanças podem acabar passando despercebidos.

Mas saiba que ela é um item fundamental para garantir os lucros da sua produção e também na imagem que é transmitida ao seu cliente. Isso mesmo! Afinal, oferecer um produto que está pesando mais do que você gostaria (e imagina) vai fazer com que repasse mais matéria-prima por um valor inferir — e, assim, perder dinheiro.

A situação contrária, ou seja, entregar ao seu consumidor um produto mais leve do que o prometido, também é prejudicial, causando grandes decepções, aborrecimentos e, muito provavelmente, a perda do cliente.

Para que nada disso ocorra com o seu negócio, confira agora os tipos de balanças mais comuns do mercado e onde encontrá-los!

Quais os tipos de balanças mais comuns?

Balança mecânica

Com um visual retrô, a balança mecânica tem uma função importante nas cozinhas além da decoração, especialmente para aqueles que trabalham com grandes produções. Isso porque elas são mais resistentes a pesos maiores e têm uma plataforma maior, acomodando sem problemas os produtos de maior volume.

Além disso, ao optar pela balança mecânica, você não corre o risco de ficar na mão pela falta de baterias ou energia elétrica. Para facilitar o transporte e a pesagem em diferentes locais, a maioria dessas balanças tem rodinhas. Uma verdadeira mão na roda na hora de averiguar grandes pesos de carnes ou outros ingredientes.

Balança digital

Entre as opções dos equipamentos digitais disponíveis, podemos destacar alguns mais comuns e com maior utilidade. Confira.

Plataforma

Pode ser uma boa opção à balança mecânica, visto que há modelos que suportam até 300 kg. Mas justamente por serem digitais, são mais delicadas, e a maioria foi projetada para permanecer em cima de uma bancada. Garantem uma conferência rápida e precisa do peso, mas o preço pode salgar a sua produção.

Pesadora

Esse tipo de balança se mostra muito útil na produção de linguiças e embutidos, pois garante uma pesagem com bastante precisão, inclusive de poucos gramas. Com ela, é possível se certificar de que todas as linguiças terão o mesmo peso, por exemplo, ainda que sejam pequenas. Eletrônicas, as pesadoras possuem um sistema de tara e permitem uma calibragem fácil.

Computadora

As balanças computadoras são aquelas bastante utilizadas em padarias, açougues e restaurantes por quilo: o vendedor digita um código e a balança já calcula o preço, de acordo com a pesagem. São bastante úteis para produções com uma grande variedade de produtos, pois impede a confusão de valores e agiliza o processo de venda.

Etiquetadora

Semelhantes às computadoras, as balanças etiquetadoras possuem o diferencial de já imprimirem a etiqueta com todos os dados necessários, como peso do produto, valor e demais informações. São as versões mais modernas do mercado e evitam erros de digitação e descontrole do estoque dos produtos.

Onde comprar?

Existem estabelecimentos que comercializam esse tipo de equipamento para pequenos, médios e grandes negócios. Mas, atualmente, a internet tornou o processo de compra mais fácil: é possível avaliar e comparar diversas balanças, analisando preços e atendimento às suas necessidades, de empresas confiáveis e sem sair do seu escritório. Além disso, como é um item pesado, contar com a facilidade da entrega é um diferencial importante.

E então, o que achou desses diferentes tipos de balanças? Já escolheu a sua? Antes de fechar negócio, lembre-se de considerar o tamanho da sua produção e da área que você tem disponível para o equipamento, ok?

Para conhecer outros itens úteis para o seu negócio, não deixe de conferir o nosso artigo sobre equipamentos para açougue. Boa leitura!

Tripa de colágeno para linguiça: quais são os seus diferenciais?

Quem costuma produzir linguiças, seja para consumo da família, seja em produções para revenda, sabe que um dos pontos mais importantes do produto é a tripa. Isso porque ela é responsável por grande parte do sabor, da textura e, até mesmo, da aparência do alimento. Sem falarmos, é claro, das questões de higiene alimentar.

Para atender a todos esses requisitos e garantir a qualidade do seu produto, uma boa opção é a tripa de colágeno para linguiça. Você já conhece esse item? Sabe quais são os seus diferenciais e onde encontrá-lo? Continue a leitura para descobrir!

Saiba o que diferencia as tripas de colágeno das tripas naturais

A seguir, vamos explicar as principais características que diferenciam esses dois tipos de tripa para linguiça. Confira!

Tripas naturais

Como o nome já diz, são as tripas do próprio animal. Há fornecedores que higienizam o intestino do porco — geralmente, sem aditivos químicos, apenas com água e sal. O que conta a favor desse tipo de tripa é que ele é orgânico, costuma ser mais bem digerido pelo nosso corpo, assim como valoriza mais o sabor e a aparência da linguiça.

O ponto negativo é justamente a questão da higiene. É preciso encontrar um fornecedor de altíssima qualidade, pois além de limpas com perfeição, as tripas naturais não podem exalar um cheiro forte — o que é bastante comum.

Tripas de colágeno

Elas são produzidas a partir do colágeno do próprio animal, ou seja, ainda é um produto mais natural. A grande diferença está na sua textura, que é mais grossa. É por isso que muitos consumidores retiram a tripa na hora que vão preparar ou comer a linguiça.

Em contrapartida, o fato de serem mais firmes auxilia na produção, uma vez que essa característica facilita o seu manuseio e diminui o risco de estourar as linguiças. Assim, com mais segurança, você não perde tempo nem dinheiro por causa de desperdício do produto.

Por falar em dinheiro, eis aqui outra vantagem de escolher as tripas de colágeno: normalmente, o preço delas é mais baixo. Além disso, elas permitem a padronização das linguiças e são mais higiênicas se comparadas às opções naturais.

Descubra onde comprar tripa de colágeno para linguiça

Podemos encontrar praticamente de tudo à venda na internet, inclusive tripa de colágeno para linguiça. Mas, por se tratar de um produto que será destinado à produção de alimentos, vale a pena buscar um fornecedor sério e de confiança, que ofereça produtos de alta qualidade.

A Zafe é uma empresa referência em food service e equipamentos que podem ajudar a melhorar os lucros do seu negócio. Lembre-se de que é a qualidade do seu produto que está em jogo. Você não quer perder clientes, certo? Portanto, escolha a melhor tripa de colágeno para linguiça e garanta o sabor e o sucesso dos seus embutidos!

Que tal dar uma olhada no que a Zafe tem a oferecer? Acesse o nosso site e conheça as opções de tripas que temos para contribuir com a sua produção de linguiças artesanais!

Abertura de empresa: o que eu preciso saber sobre o assunto?

Você, às vezes, se pega considerando a possibilidade de abrir um negócio? Acha que pode oferecer mais inovação ao mercado e tem um perfil empreendedor? Procura uma nova chance de demonstrar relevância? Então a abertura de empresa pode realmente fazer sentido para seu caso.

Não à toa, diante da necessidade de renovação e da procura por oportunidades no mercado, cada vez mais pessoas optam por esse caminho. Somente no 1° semestre de 2018, por exemplo, mais de 1 milhão de novas empresas foram abertas no Brasil, segundo o portal.

Para se destacar e lucrar em meio a elas, é preciso encontrar um nicho forte e apresentar vantagem competitiva. Quer saber como fazer isso e quais os primeiros passos necessários para ter sucesso na abertura de empresa? Então continue a leitura!

Escolha do setor e perfil da empresa

Em um mercado tão competitivo, deve-se considerar que há diferentes públicos consumidores e necessidades que as pessoas tendem a apresentar com os incrementos da tecnologia e aperfeiçoamento dos serviços.

Assim, antes de abrir sua empresa, pense bem e estude o setor em que pretende se enquadrar. Leia pesquisas de mercado, conheça negócios que já são referência na área, entenda quais são as forças e fraquezas e saiba se o cenário tem sido bem-sucedido. Mesmo empresas muito inovadoras, diferentes de tudo que há no mercado, precisam de dados e de fundamentos para crescer.

Principais documentos para abertura de empresa

Uma vez definida sua estratégia, procure saber quais os principais documentos envolvidos na abertura de empresa, que variam conforme o enquadramento dela. Os tipos mais comuns entre aqueles que estão começando são:

  • Microempreendedor Individual (MEI): empresário individual, sem sócios, com limite de faturamento anual de R$81 mil.
  • Microempresa (ME): deve optar por enquadramento no Simples Nacional, Lucro Real ou Lucro Presumido. A receita do ano não pode ultrapassar R$360 mil.
  • Empresa de Pequeno Porte (EPP): o limite de faturamento anual não pode ser maior do que R$4,8 milhões. Também se enquadra no Simples Nacional, Lucro Real ou Lucro Presumido.

Em casos de quem opta pela abertura de MEI, a documentação requerida envolve RG, CPF, comprovante de residência recente, última declaração referente ao Imposto de Renda, título de eleitor e comprovante de ponto comercial, bem como o nome fantasia e as atividades que serão exercidas pelo profissional na nova empresa.

A abertura pode ser feita on-line, no Portal do Empreendedor-MEI, em que também é possível entregar declarações anuais e consultar quaisquer serviços. Em casos de ME e EPP, a documentação é a mesma, mas a abertura de empresa deve ocorrer com a Junta Comercial do estado em que o novo negócio for começar.

Definição de enquadramento tributário

Independentemente da natureza do empreendimento e do setor escolhido para ele, há custos e tributos que devem ser pagos ao Estado. Assim, após se informar e, se possível, buscar assessoria contábil, o empresário pode optar por um dos quatro regimes fiscais adotados por quem se estabelece no Brasil, sendo eles:

  • SIMEI;
  • Simples Nacional:
  • Lucro Presumido;
  • Lucro Real.

A escolha, nesse caso, também varia de acordo com o porte da empresa e com sua rentabilidade. Deve-se planejar bem para evitar complicações com as finanças quando se trabalha com vendas.

A abertura de empresa, ao fim, tem sido cada vez menos burocrática diante da oferta de tecnologia e da quantidade de nichos que surgem promissores no mercado consumidor. Pensando nisso, se você tiver um perfil empreendedor e condições para investir nesse sonho, planeje-se bem e faça acontecer!

Gostou de nosso artigo e quer ler mais dicas sobre o tema? Então, assine já nossa newsletter e receba novos conteúdos em seu e-mail!

Como fazer linguiça mista? Aprenda 3 dicas importantes!

No Brasil, diferentes tipos e linguiças são consumidas todos os dias, e um tipo que tem ganhado cada vez mais espaço é a versão artesanal. Sim, é possível fazer essa iguaria apostando em diferentes combinações de sabores e ganhar um bom dinheiro. No entanto, é preciso investir em matéria-prima de qualidade, aprender as técnicas certas e usar a criatividade. Para te ajudar, o tema deste post é como fazer linguiça mista!

No dia a dia dos brasileiros, diferentes tipos de linguiças fazem parte do cardápio, como as de frango, toscana, calabresa e mista. Para quem deseja aumentar os rendimentos de um negócio no ramo alimentício, apostar na produção de embutidos pode ser a escolha certa, já que os processos são simples e os custos baixos.

A linguiça artesanal mista é uma das mais pedidas, pois traz uma combinação de sabores interessantes que serve tanto para pratos do dia a dia como para o churrasco do final de semana. Confira dicas para preparar uma excelente linguiça mista!

1. Quais são as técnicas para fazer linguiça mista?

Independentemente do tipo de linguiça que será preparado, existe um passo a passo básico que deve ser seguido para facilitar o trabalho. Na prática, o ideal é começar organizando o espaço de trabalho nesta ordem:

  • escolha um local adequado, bem ventilado e organizado para produzir as linguiças;
  • organize as ferramentas e ingredientes que serão usados;
  • moa a carne e a gordura que serão usadas na receita;
  • adicione aos poucos os temperos e ervas selecionados;
  • por último, coloque a carne na tripa.

Como a produção envolve muitas etapas, certifique-se de que o local escolhido para a produção seja bem arejado e com os equipamentos certos para o trabalho. Basicamente, as ferramentas usadas no processo são o moedor de carne, funil e utensílio que possa ajudar no preenchimento da tripa.

Depois que os temperos são adicionados, o ideal é deixar a carne descansar por cerca de 20 minutos antes que sejam colocadas nas tripas. Feito isso, a linguiça pode ser vendida fresca ou passar por processo de secagem antes de ser disponibilizada aos clientes.

2. Quais tipos de carnes e temperos usar?

No caso da linguiça mista, normalmente são usadas carne vermelha e de porco. Contrafilé e coxão mole são alguns dos cortes que caem bem nessa receita. Já quanto às carnes de porco, normalmente são usadas o toucinho sem a pele, panceta e pernil. Inclusive, uma boa receita é usar a mesma quantidade de carne vermelha, pernil suíno e panceta.

Não tenha dúvidas de que essa combinação será um sucesso, pois utiliza carnes bem saborosas que ajudam a valorizar a linguiça. Quanto aos temperos, aposte nos básicos como pimenta-do-reino, sal, alho, cheiro verde, cebola, alho e pimenta-dedo-de-moça, por exemplo.

3. Como manter a qualidade?

Manter a qualidade, ainda mais quando se trata da comercialização de alimentos, é fundamental. Por isso, comece escolhendo bons ingredientes para as suas receitas e invista também nos equipamentos adequados, pois todos esses detalhes influenciam positiva ou negativamente no resultado final do seu produto.

Lembre-se de que a concorrência é grande, então, estabelecer e manter um padrão de qualidade ao fazer linguiça mista são passos fundamentais para o sucesso do seu negócio!

E se você gostou deste conteúdo sobre como fazer linguiça mista, aproveite para seguir a gente nas redes sociais e não perder nenhuma dica. Estamos no Instagram e Facebook.

Moedor de carne para fazer linguiça: 4 dicas para comprar!

Entre as pessoas que produzem linguiças artesanais, existem aquelas que preferem preparar a carne na ponta da faca e aquelas que optam pelo uso de um bom moedor de carne para fazer linguiça. Os dois métodos, obviamente, são capazes de garantir ótimos produtos.

Se você é do time que prefere a praticidade dos moedores, sabe quais são as características fundamentais que essa ferramenta precisa ter para ajudar na sua produção? E como escolher o melhor moedor para fazer linguiças e embutidos? Confira quatro dicas infalíveis agora mesmo!

Por que escolher um moedor de carne para fazer linguiça?

Antes de tudo, vale ressaltar que existem dois tipos de aparelhos com finalidades semelhantes: o picador e o moedor de carne. O picador é indicado para produções maiores, em grande escala. Geralmente é utilizado por empresas que comercializam carnes, e tem a capacidade de cortar em pequenos pedaços.

Já o moedor costuma ser destinado a produções menores e, como o nome sugere, faz a moagem da carne. Trabalhar com esse equipamento traz grandes vantagens para a sua produção de linguiças artesanais:

  • torna o trabalho mais rápido e prático;
  • permite a padronização das linguiças, afinal, a carne moída será bem semelhante (o que pode não acontecer ao cortar pequenos pedacinhos na faca);
  • possibilita a escolha do tamanho da carne, de acordo com as chapas.

O que fazer para comprar o moedor perfeito?

Veja, a seguir, alguns cuidados que você deve tomar para acertar nesse investimento.

1. Leve em conta as suas necessidades

O primeiro fator a ser avaliado antes de comprar o seu moedor de carne para fazer linguiça é o tamanho de sua produção:

  • quantos quilos de carne você pretende preparar (por dia ou por hora)?
  • o tempo de moagem é um fator determinante (ou seja, você tem mais ou menos pressa)?

Após essas definições, analise o seu produto:

  • todas as linguiças terão o mesmo tamanho ou você vai oferecer diferentes opções?
  • quais tipos de carne serão passados no moedor?
  • qual a qualidade da moagem que você espera?

2. Avalie as características do material

Questões respondidas, é hora de ir em busca do moedor ideal. Você pode observar, por exemplo, que os pontos acima são referentes à capacidade do equipamento. Ou seja, o tamanho e a resistência do seu moedor serão de acordo com a sua produção.

De nada adianta economizar e ter uma ferramenta que não suporte a sua demanda, não é verdade? Da mesma forma, é desnecessário investir em um super moedor para uma pequena produção de linguiças artesanais.

Analise os equipamentos mais conhecidos e bem avaliados do mercado, além de detalhes do material, como resistência, praticidade de limpeza e, até mesmo, facilidade de transporte.

3. Confira os acessórios já inclusos e os que serão necessários

Alguns moedores já vêm com mais de uma boca (de tamanhos diferenciados), o que auxilia na moagem de mais ou menos carne. Aí vai depender da sua necessidade.

Outro fator a ser considerado é que alguns equipamentos têm a função de moer outros ingredientes, como amendoim, mandioca ou coco. Parece curioso para uma produção de linguiças, mas pode ser útil se você pretende criar receitas inovadoras, concorda?

Além disso, muitas marcas oferecem a opção de comprar algumas chapas separadamente, para moer a carne mais fina ou mais grossa.

4. Encontre um fornecedor de confiança

Contar com um parceiro de confiança é fundamental para adquirir produtos de qualidade. Empresas renomadas no segmento de equipamentos e máquinas já estão comercializando os seus produtos online. É o caso da Zafe, um e-commerce com tradição que atende desde grandes negócios (como frigoríficos, supermercados, padarias e hotéis etc.) até consumidores comuns.

Agora que você já tem todas as informações de que precisa para comprar o seu moedor de carne para fazer linguiça, pondere as suas necessidades e, principalmente, avalie o produto que pretende preparar.

Quer investir de verdade no seu negócio? Confira as opções de máquinas disponíveis no site da Zafe!

Por que é essencial escolher bem os condimentos para linguiça?

Existem diferentes tipos de linguiça, que podem variar tanto pelos tipos de carnes com que são feitas como também pelo tempero. Normalmente, seja com a carne bovina, a de frango ou a de porco, opções como sal, pimenta do reino e cebola funcionam muito bem. Mas os condimentos para linguiça vão muito além desses básicos e podem se tornar um diferencial.

Como se trata de um produto artesanal, é importante ter um padrão de qualidade. E, para isso, é preciso ter atenção a todos os detalhes, desde a escolha das carnes até a mistura de temperos que será usada. No caso da linguiça, tanto podem ser usados temperos e ervas frescas como misturas prontas, que facilitam a produção e são facilmente encontradas em lojas especializadas.

Para que o seu negócio de venda de linguiças artesanais se torne um sucesso, aposte na variedade de produtos e, claro, em uma combinação única de temperos que poderá ser sua marca registrada.

Escolha os condimentos certos para as linguiças

Os condimentos, quando usados na medida certa, têm o poder de realçar o sabor de qualquer alimento. Na linguiça, certos temperos são indispensáveis, como o sal e um toque de pimenta, pois eles valorizam o sabor natural da carne. Mas, além deles, você pode e deve criar outras combinações, especialmente usando ingredientes como:

  • diferentes tipos de pimentas;
  • folha de louro;
  • cheiro verde;
  • manjericão;
  • orégano;
  • tomilho;
  • alecrim;
  • gengibre;
  • cebola;
  • alho.

Todas esses ingredientes podem ser usadas frescos para temperar as linguiças, mas, para facilitar a rotina de trabalho e dinamizar a produção, o mais indicado é apostar nas versões de temperos secos. Inclusive, todos esses ingredientes podem ser encontrados desidratados.

Procure opções práticas que facilitem a produção

Hoje, nas lojas especializadas, os temperos prontos para linguiça são facilmente encontrados. Até mesmo é possível encontrar condimentos específicos para os diferentes tipos de linguiça, como as que são feitas com carne de frango, suína, bovina ou mesmo mista.

Entre as vantagens de usar a opção pronta, destacamos as seguintes:

  • opções completas, que não precisam ser incrementadas;
  • são encontrados facilmente em lojas especializadas;
  • facilita o processo de produção;
  • padronização do sabor dos produtos, pela facilidade de repetir a receita.

Ao escolher um tempero pronto, não será necessário se preocupar em adicionar outros ingredientes ou ervas, pois a mistura já vem com o sabor ajustado, bastando que seja adicionada a quantidade adequada à medida de carne desejada. Outro ponto positivo é que esses temperos podem ser facilmente comprados em lojas para embutidos, inclusive, lojas online.

Além disso, quando se trabalha com o tempero pronto, não tenha dúvidas de que a sua produção será otimizada. Afinal, não será mais preciso se preocupar em comprar e organizar uma lista de temperos todas as vezes que as linguiças forem feitas. A mistura pronta de temperos é segura e pode ser armazenada no local de produção.

Trabalhe com os melhores fornecedores

Para garantir os melhores produtos aos seus clientes, é importante prestar atenção à escolha de seus fornecedores. Sejam lojas físicas ou e-commerces, certifique-se de que os produtos têm uma boa procedência e que você pode confiar na marca. Inclusive, as compras online também facilitam o passo a passo de produção e não demanda tanto tempo quanto uma visita à loja física.

Estando atento a esses detalhes, sua produção de linguiça artesanal tem tudo para ser um grande sucesso. Use a criatividade para criar suas próprias receitas, escolha bons fornecedores e fique sempre de olho nas tendências do mercado!

E, se você gostou deste post sobre condimentos para linguiça, aproveite para visitar nossa loja online e adquirir tudo o que precisa para sua produção artesanal!

Entenda aqui como fazer uma saborosa linguiça calabresa

Não é por acaso que a linguiça calabresa é uma das queridinhas dos brasileiros. Além de deliciosa, essa iguaria embutida vai muito bem em diversas receitas, assim como é um ótimo acompanhamento para vários pratos e para aquela cervejinha gelada.

Uma curiosidade é que, no início, essa delícia era preparada com uma grande quantidade de pimenta calabresa — daí o nome. No entanto, com o passar do tempo, o teor apimentado diminuiu.

E você, sabe como fazer linguiça calabresa? Se a resposta foi não, é só continuar lendo este artigo para aprender!

Afinal, como fazer linguiça calabresa?

Para começar, é preciso saber que esse tipo de linguiça é preparado exclusivamente com a carne e a gordura suínas. Veja agora outros detalhes importantes que envolvem o processo.

Equipamentos e materiais necessários

Se você já trabalha com o preparo de linguiças, certamente não vai encontrar grandes dificuldades para fazer essa versão da calabresa. Para o preparo do embutido, serão necessários:

  • uma máquina de moer carne (ou se você estiver preparando um produto mais artesanal, uma boa faca, para picar a carne “na ponta da faca”);
  • um canhão para embutir;
  • um defumador.

Modo de preparo

As linguiças calabresas podem ser curadas ou defumadas.

Aquelas que são curadas recebem um tratamento térmico que as fazem perder água e ficarem mais compactas. Essas são as mais apetitosas para incrementarem feijões, lentilhas, sopas, cozidos e, também, pizza.

As defumadas podem ser feitas com um defumador caseiro ou de tambor, caso a sua produção seja pequena. Também há opções de defumadores artesanais que você pode fazer em casa. São bacanas por deixarem o seu embutido com um sabor único.

Temperos que podem ser utilizados

Como dissemos, apesar de o nome fazer referência à pimenta calabresa, não é necessário exagerar no condimento — fica ao gosto do freguês. Se você está produzindo para revender, uma boa dica é fazer dois tipos de linguiça: uma com mais pimenta e outra com menos. Assim, não corre o risco de decepcionar o seu cliente, que vai saber exatamente o que está levando para casa.

Além disso, são utilizadas carnes e gorduras de porco (de preferência, picadas), sal, temperos ao seu gosto e conservantes. Algumas especiarias que podem dar um sabor todo especial ao seu produto são a erva-doce e a manjerona. Vale a pena experimentar!

E não podemos nos esquecer das tripas para linguiça. As mais comuns são as naturais e as de colágeno.

Erros que devem ser evitados

Algumas falhas podem colocar a linguiça calabresa em risco, e a maioria das regras vale para todos os tipos de embutidos. Os erros mais comuns que você precisa evitar são:

  • trabalhar com a carne em temperatura ambiente — para facilitar o manuseio e não ver a linguiça “desmontar” durante o preparo, deixe a carne no congelador por cerca de uma hora antes do manuseio;
  • misturar mal a carne já moída — a linguiça ficará quebradiça se você pecar nessa etapa;
  • não comprimir bem a carne no canhão — isso levará à formação de bolhas de ar na massa;
  • não deixar a linguiça descansar — é recomendável que, depois de pronto, o embutido fique na geladeira de um dia para o outro;
  • não mergulhar em água gelada após o fim do processo — realizar esse processo mantém a linguiça mais firme.

Viu como fazer linguiça calabresa não é uma tarefa difícil? Se você comercializa embutidos e ainda não oferece esse tipo de produto, comece agora mesmo! O sabor agrada a diferentes paladares e é garantia de sucesso para o seu negócio.

Já está com água na boca para apreciar uma linguiça calabresa acebolada? Antes disso, compartilhe este post em suas redes sociais para que seus amigos também conheçam os segredos dessa iguaria deliciosa.